sábado, 28 de janeiro de 2017

Salmão em massa folhada

Quem gosta de salmão?

Eu já detestei, já gostei e agora nem sei se gosto ou não, simplesmente deixei de comprar, porque o salmão que se encontra por aqui é todo de aquacultura e cá em casa declarei guerra a esse tipo de peixe, não que o outro seja puro, mas este nem puro e nem nada de bom tem a favor dele, o tipo de alimentação que lhe dão, os pesticidas para lhe acabar com as doenças que apanham por viver em multidões em espaços reduzidos, são maus demais.

Mas estes folhadinhos já estavam feitos há algum tempo, porque as postagens aqui no blog têm andado um pouco atrasadas e como acho ser uma boa sugestão, para fazer com salmão ou com outro peixe que mais gostem, resolvi trazer na mesma.


2 lombos de salmão ou outro peixe a gosto.
1 cebola
3 dentes de alho
1 cenoura
Azeite
Sal e coentros e alho em pó

De modo tradicional é só fazer o refogado e juntar o salmão e depois de cozinhado esmagar de modo grosseiro, eu fiz no meu robot de cozinha.

No copo da máquina meta a cenoura cortada em rodelas grosseiras e com uns toques de turbo ou velocidade 5-7-10 até ficar ralada e retire do copo.

Colocar os lombos de salmão no tabuleiro do vapor e deixe até o refogado estar pronto.

Deite aí o azeite, cebola e alho e triture 2 seg vel.5.
Programe 2 min temp.120º velocidade 1, depois junte a cenoura e programe mais 5 min temp.100 vel.1

Juntar o salmão previamente cozido a vapor no copo e programe mais 3 min 100º vel.2. e temperar a gosto, com sal e as especiarias preferidas eu temperei com uma mistura de coentros e alho em pó.

Entretanto corte a massa folhada do tamanho e forma que entender, se é para entradinhas ou se é para prato principal. 
Retire o preparado de salmão do copo e ponha em cima da massa folhada e dobre a gosto, eu cortei rectangulos e lateralmente ao recheio em tiras de modo a entrançar depois e formar uns peixinhos.

Pincelar com gema de ovo batida e levar ao forno pré-aquecido até a massa folhada estar cozida e douradinha.

Servir acompanhado de uma saladinha como entrada ou mesmo como prato principal.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Purá de Batata roxa, quem conhece

Sempre que tenho possibilidade gosto de ir a um mercadinho ao sábado de manhã, pensando que os produtos são biológicos e alguns são mesmo, outros não são, mas prefiro dar o dinheiro a pequenos agricultores ou simplesmente vendedores, que também compram para depois vender, em vez de dar tudo aos grandes hipermercados.

Verduras recuso-me mesmo a comprar  nessas grandes superfícies, porque para além do aspecto ser muitas vezes deplorável, sei de fonte segura que muitos deles para além de explorarem indecentemente os seus fornecedores, também tem explorações agrícolas  onde produzem em grande escala e usando e abusando dos químicos.

Depois nestes mercadinhos os vendedores conhecem-nos, gostam de nós, não somos mais um, todas as semanas trago alguma coisa que me oferecem, estas batatas foram um exemplo, eu comprei batata normal e quando dei conta tinha um saquinho dentro do outro com estas para experimentar, disse o senhor.... são muito boas para puré... experimente e depois diga-me se gostou, estamos a introduzi-las agora no mercado, noutros países gostam muito :)


A batata é muito escura por fora e quando se descasca, é branca, com umas ligeiras pintas roxas, quando se parte é linda, cheia de desenhos, fez-me lembrar os tempos de curso, onde tinhamos uma cadeira de histologia, em que observávamos ao microscópio laminas de tecidos humanos, com corantes para se ver as células, doentes ou não :) 

Pesquisei sobre a dita batata e a conclusão que tirei é que é rica em antioxidantes, vitamina C, bioflavonoides e potássio, ou seja mais rica que a outra, o que é bom.

Como o senhor disse que é boa para puré foi o que fiz, cozi a batata e fiz como com a outra,um puré para acompanhar bacalhau no forno.


O sabor nem sei muito bem dizer se é muito diferente da outra, eu achei semelhante.
Mas... fica mais bonito no prato, um toque exótico e mais gourmet.

Encontram-me agora também na minha página de facebook

domingo, 22 de janeiro de 2017

Pudim de gelatinas colorido

Esta gelatina colorida resolvi experimentar, porque fica muito bonita e gelatina todos gostamos muito cá em casa, fresca no verão sabe sempre bem se ficar bonita melhor.

É muito trabalhosa e demorada, por isso a coisa não correu muito bem, não tenho muita paciência para esperar e para além disso como de costume quando resolvo fazer alguma coisa é sempre para ontem.

Gelatinas de cores variadas e contrastantes
Leite condensado.

Fazer as gelatinas todas.

Meter na forma metade da primeira e levar ao frio a ficar dura.
Na outra metade juntar 4 colheres de sopa de leite condensado e colocar em cima da primeira depois de dura e levar ao frio novamente.

Repetir o processo para as gelatinas todas e ter em atenção colocar camadas de gelatinas com cores contrastantes para dar o efeito mais bonito.

O que não correu muito bem, como não tenho paciência para esperar entre cada gelatina, meti no congelador e depois de todas as camadas feitas, resolvi desenformar logo, a pressa de ver o efeito era tanta que nem esperei descongelar... resultado, quando descongelou começou a liquefazer-se, a derreter literalmente... por isso ou se deixa solidifar naturalmente sem congelar as partes, ou se congelar, deixar descongelar dentro da forma e certificar que a gelatina esta solidificada antes de desenformar.

Mas como qualquer dona de cozinha tenho sempre uma solução.

Fiz uma gelatina de ananás e fatiei o pudim de gelatinas todo e meti numa taça grande com a gelatina de ananás e deixei esta solidificar :) lindo ficou uma taça de gelatinas colorida em vez de um pudim de gelatinas.

Há sempre uma solução para tudo desde que não se desista das coisas.

Encontram-me agora também na minha página de facebook

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Bolo Rei

Quem gosta de bolo rei?
Eu gosto :) e não aprecio nada a versão do bolo rainha que inventaram, penso que a massa do bolo rei não beneficia nada com aquelas frutas secas todas que só lhe conferem gordura. 
Mas como diz o meu filho, que nem gosta de um nem de outro.... cada um tem os seus gostos e é bom haver alternativas e assim agrada a toda a gente.

Diz a wikipédia
"A origem do bolo-rei remonta, ao que se sabe, ao tempo dos romanos. Estes tinham por hábito eleger o rei da festa durante os banquetes festivos, o que era feito tirando à sorte com favas, pelo que era também designado por vezes de rei da fava. A Igreja Católica aproveitou o facto de aquele jogo ser característica do mês de Dezembro e decidiu relacioná-lo com a Natividade e com a Epifania, ou seja, com os dias 25 de Dezembro e 6 de Janeiro"


O bolinho já não tem a fava, nem o brinde de outrora, porque foram proibidos, mas tem outras coisas boas e a receita fui buscá-la ao cantinho do Jorge Anjos.




Para a massa do fermento
60 ml de água
100 gr de farinha t55
40 gr de fermento fresco/usei uma carteira de fermipan.

Massa do bolo
500 gr de farinha
120 gr de açúcar
160 ml de água
40 ml de vinho do porto
100gr de margarina
Casca de uma laranja pulverizada, sem o branco
1 colher de sobremesa rasa de fécula de batata eu meti maisena, porque não tinha a fécula
Baunilha em pó ou essência a gosto

Para finalizar
200 gr de fruta cristalizada
1 chávena de nozes.
1 ovo para pincelar.

Primeiro preparar a massa do fermento, colocar tudo no copo do robot e programar 2 min botão amassar
Retirar e deixar descansar 10 min.

Para a massa do bolo, primeiro pulverizar a casca da laranja e depois colocar no copo todos os ingredientes e programar 3 min. botão amassar.
verificar se a massa se despega das paredes se não deitar mais um pouco de farinha e amassar mais 1 min.

Adicione então a massa de fermento e amassar mais 4 min..

Retirar a massa para uma taça polvilhada com farinha e deixar descansar durante 20 min.

Para finalizar adicionar as frutas picadas (reservar algumas grandes para decorar) e envolver muito bem na massa, formar um aro com a mesma e deixar repousar mais 40 min.
Vi uma ideia que aproveitei neste bolo, mas que não gostei muito do resultado e foi meter uma tacinha no meio do bolo com água,penso que para ficar com o buraco bem formado, mas não gostei do resultado, não fica douradinho no meio, sempre a aprender e testar, eu prefiro á maneira antiga em que o meio fica irregular e tostadinho.

Depois de verificar que a massa aumentou consideravelmente de volume, pincelar com a gema de ovo misturada com uma colher de sopa de água e decorar a gosto com as frutas cristalizadas grandes que se reservou e com frutas secas a gosto.

Colocar no forno aquecido a 180º durante 30 a 40 min, mas verificar se está bem.

Retirar do forno e depois de frio polvilhar com açúcar em pó, há quem pincele com geleia, eu não aprecio muito o bolo todo peganhento...
Bolo fofinho, aprovado por todos. 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Mérida um tesouro aqui bem pertinho

Quem não gosta de passear, dar umas voltinhas :)  por aqui e por acoli?
Eu adoro já todos sabem.

Este passeio foi curto, aqui bem pertinho em Espanha um país com muita história e muitos sítios para descobrir, de vez em quando gosto de ir até lá.

Mérida foi o destino desta vez. Uma cidade pequena mas muito simpática e de gentes muito simpáticas e disponíveis a ajudar, fica a menos de 3 horas de carro desde Coimbra ou de Lisboa, menos de 300 km e 60 km de Badajoz, distancia que se faz muito bem.

"..Mérida é um município da Espanha e cidade capital da comunidade autónoma da Estremadura, nas margens do rio Guadiana.
Fundada em 25 a.C. com o nome de Emerita Augusta, foi durante a ocupação romana uma das mais importantes cidades da Península Ibérica, capital da Lusitânia. Possui vários testemunhos desse passado, tais como o teatro e o anfiteatro romanos, 
O conjunto arqueológico de Mérida está classificado como Património da Humanidade da UNESCO."



Andar pelas suas ruas cheias de lojas e bares de tapas e de repente aparecer um templo que até pode ser o de Diana, enorme, muito mais bem conservado que o nosso, ao virar da esquina, um arco, o de Trajano ou umas ruínas que nem sabemos bem o que são, mas no mapa está assinalado....
e toca a patear que por aqui há mais.....

Uma visita imperdível.

O conjunto arqueológico é enorme e muito variado, sendo que a maioria é de origem romana, O Teatro e o Anfiteatro, são os monumentos mais representativos, dois aquedutos muito bem conservados e para além disso tem também um legado visigodo e muçulmano importante.

Museus, Monumentos religiosos,Palácios, Pontes, um sem fim de coisas para ver e visitar que nos ocupam durante dois dias sem descansar muito.

A organização da cidade em termos de visitas é interessante, pois existe um bilhete que permite visitar 5 monumentos, tipo passe que vamos picando á medida que entramos e não perde validade no dia, podemos utilizá-lo noutros dias, para além dos monumentos que se encontram na rua á vista de toda a gente este passe inclui os mais importantes.
De fora fica o Museu de arte Romana, um edifício do arquitecto Rafael Moneo, que vale só pelo edifício, imponente e muito bonito. A colecção que alberga importantíssima, tem muitas das esculturas originais que foram retiradas da rua para que não se degradem.   

Para dormir há uma oferta simpática e a preços igualmente simpáticos, tem um parador (correspondente ás nossas pousadas) situado num antigo convento, um Hotel & Spa para quem quer relaxar um pouco no fim de um dia a patear sabe bem e que em época baixa e reservando com antecedência se conseguem preços inferiores a 100 euros.
Para quem quer algo ainda mais barato recomendo o Hostal acueduto de los milagros muito bom, nada a ver com o conceito de hostal, é um hotel ao nível de muitos em que já estive com 3 estrelas. 

A comida ao contrário do que a maioria dos portugueses tende a dizer, é muito boa e nesta região em particular gostei de tudo que comemos, não se pode é dizer que se come mal em Espanha só por dizer, quando o termo de avaliação é muitas vezes o restaurante de beira de estrada, aqueles com o menu em fotografias  na porta por poucos€.....
Muito bons bares de tapas e restaurantes.
O sitio onde comi as melhores tostadas de Espanha. 

domingo, 15 de janeiro de 2017

10 anos de blog e um nome novo

Este blog faz este ano 10 anos :) está crescido e tem evoluído ao ritmo da sua dona, quando o criei era minha intenção apenas fazer um ficheiro de receitas mais fácil de consultar e de arquivar do que os ficheiros que já tinha no computador, com a vantagem que dava para consultar fora de casa.

Com o tempo passei a partilhar também experiências de viagem e de coisas que eu simplesmente gosto...., fotografias, artes, leituras e para além disso uma grande partilha de experiências com outras blogguers, grandes amizades fiz por aqui, até mais além do atlântico, umas conheci pessoalmente e com outras apenas troquei presentes, mas como se as conhecesse pessoalmente.

Agora com o avançar da idade, tenho menos paciência para ele, mas continuo a mante-lo vivo, para que fique na memória, minha quando ela me falhar e na do meu filho e amigos ou família e de quem assim o entender, por isso também a mudança de nome,o anterior parece-me que não faz agora sentido.

Criar um blog novo e abandonar este não me pareceu boa ideia, era perder a identidade total e 10 anos de trabalho, para além de deixava perdidos os seguidores que ao longo dos tempos vem cá espreitar e me mandam mensagens se estou muito tempo sem aparecer.

O nome,para mim deixou de fazer sentido, porque na altura que o criei, dedicava-me mais ás artes e viajava mais também e neste momento as artes ficaram quase de parte e as viagens são menos.

Porquê este nome!?Um nome é sempre algo difícil de escolher, optei por este que é a minha identidade, na família e amigos chegados é assim que me chamam, acho até estranho se alguém me chama pelo meu nome próprio, se gosto não sei, sei que é assim que me identifico....

Resolvi também aderir ao facebook, criar uma página, na minha página pessoal, durante muito tempo tive algumas dúvidas, era uma coisa minha, privada, mas nada é privado quando é público.... parece um contra-senso mas era assim que pensava, até porque muitas pessoas conhecidas ás quais eu não dei o endereço do blog acabaram de uma maneira ou de outra por o encontrar e me falarem disso e outras há que o conhecem e nada me dizem, mas como é uma coisa da qual não tenho nada a esconder.... fica um resumo do que têm sido estes 10 anos de blog
E numa altura em que dizem está na moda ter blogs, não foi por isso que o criei, porque este já está velhinho :D