sábado, 30 de novembro de 2013

Natas do céu

Ultimamente não tenho tido muito tempo livre para actualizar o blog, tenho muitas coisas para trazer cá, mas a vontade e o tempo não tem sido nenhum, vou tirando fotografias, mais por vicio de andar sempre com a máquina atrás do que propriamente para postar, porque o tempo tem sido muito escasso, entre horários acrescidos no trabalho e trabalhos escolares, fica tudo o resto para trás.

Esta é uma sobremesa de que gosto, mas não tenho hábito de fazer cá em casa, mas desta vez ela veio á mesa para um almoço com amigos.

200 ml de natas frescas tipo longa vida
6 claras
6 colheres de açúcar
1 pacote de bolacha Maria ralada

Doce de ovos
6 gemas
6 colheres de água
6 colheres de açúcar.


Primeiro fazer o doce de ovos.

Levar ao lume a água com o açúcar e deixar ferver até fazer um ponto grosso, deitar em fio com cuidado sobre as gemas batidas mexendo sempre, levar novamente ao lume para engrossar.
Reservar.

Bater as natas bem frescas até ficarem firmes, juntar 4 colheres de açúcar e bater mais um pouco.

Bater as claras em castelo e juntar o restante açúcar até ficarem bem firmes.

Envolver as claras com as natas  cuidadosamente

Picar a bolacha muito bem na 123 ou outro robot de cozinha.

Por fim montar o doce, numa taça grande ou em tacinhas pequenas, fica ao gosto de cada um.

Uma camada de natas, uma de bolacha ralada e outra de natas e por ultimo uma de doce para terminar bem, pode-se juntar algumas colheradas de doce de ovos entre as camadas.




domingo, 17 de novembro de 2013

Pêra em calda

Este ano decidi aproveitar pela primeira vez algumas das muitas pêras que temos sempre na quinta e que nunca aproveitamos, porque elas apodrecem antes de ficar maduras, é uma variedade que amadurece mais tarde e como não é tratada apodrece tudo.

Podia fazer doce, mas como cá em casa se comem poucos doces e os que faço acabo sempre por oferecer, decidi experimentar pêras em calda.

Experimentei primeiro com algumas, deixei repousar alguns dias e abri um frasco para experimentar para depois fazer mais se a coisa corresse bem e ficassem boas.
As pêras que utilizei são de uma variedade conhecida por cá como Pêras de inverno, é uma pêra bastante dura ou pelo menos enquanto não está bem madura e de sabor algo diferente, mas que fica muito bom assim em calda.


Pêras de inverno
500 gr Açúcar 
1 L Água


Estas quantidades são meramente indicativas, porque eu fui fazendo calda á medida que ia precisando para a quantidade de pêras que tinha, a proporção que usei na água e açúcar foi uma de referencia que me indicaram.

Primeiro descascar a pêra e cortar em pedaços do tamanho desejado, ir metendo em água para não oxidar e ficar negro.

Depois fazer a calda e . Pôr a ferver a água com o açúcar, não para fazer ponto, apenas para derreter o açúcar.

Meter nesta calda as pêras e deixar ferver 5 minutos, retirar para um frasco de boca larga esterilizado e seco, acabar de encher com a calda até tapar a fruta e tapar de imediato, a rolha deve vedar muito bem, ou daqueles frascos com borracha ou de metal.

Eu usei frascos reciclados, como se vê na fotografia, deve-se encher ao máximo com a pêra ou ele sobe na calda e fica no fundo muito liquido sub-aproveitado, porque temos que encher sempre o frasco com a calda ou não conseguimos tapar todas.

Levar estes frasco já fechados novamente ao lume, mergulhados até meio em água a ferver, durante mais 5 minutos, deixar arrefecer dentro da água.


Não sei se é a técnica perfeita, se há melhores processos para fazer fruta em calda, mas esta foi á minha maneira e parece-me que o resultado é bem satisfatório, o frasco que já abrimos estava muito bom, tanto na textura da pêra, como no sabor.

domingo, 10 de novembro de 2013

Migas de grão com bacalhau

Estas migas de grão é um prato que costumam servir no refeitório do meu hospital e eu que nem sou muito fã de grão, gostei tanto que tentei reproduzir cá em casa e foi do agrado geral.

Fiz à minha maneira e baseado no que vi e no modo como faço as outras migas e ficou muito bom.


Grão cozido
Couve branca/coração ou outra
Broa de milho
Alho
Azeite
Bacalhau em posta ou desfiado
Ovos
Farinha

Primeiro cozi o grão e reservei.

Entretanto levei ao lume a couve cortada em Juliana o mais fina possível em bastante água com sal, só mesmo para ferver.
Consegue-se partir a couve finíssima, se não se desmanchar o repolho, partindo só ao meio e depois em cima de uma tábua cortar fininho.

Cortei a broa em fatias para esfarelar de modo grosseiro, eu meti a casca e tudo.

Depois deste preparativos, piquei o alho que levei ao lume em bastante azeite, um dedo de altura no fundo do tacho, quando o alho já está a ferver bem, juntar a broa e deixar fritar um pouco e por ultimo envolver aqui a couve deixando harmonizar os sabores. Por ultimo juntar o grão e envolver.

Servi com bacalhau frito, podia ser frito em postas, mas eu preferi fazer de outra maneira, um sabor de infância que guardo na memória.

Bater os ovos com farinha para fazer um polme e envolver aí o bacalhau desfiado, eu usei migas de bacalhau demolhadas.
Depois é só fritar colheradas deste polme com o bacalhau