sábado, 27 de julho de 2013

Quiche de legumes e salsicha

Esta quiche fiz para a festa de encerramento da catequese e escuteiros, em que há um almoço partilhado onde cada família leva o seu próprio almoço ou algo para partilhar com os seus amigos, ou mesmo desconhecidos, se ficarem na mesma mesa, um ambiente muito engraçado que a paróquia onde o meu filho anda nos escuteiros consegue criar.
Eu fiz a quiche, porque no meu grupo de amigas (mães dos colegas do meu filho) cada uma ficou de levar algo e a mim coube-me a quiche e um doce.

Para mais rápido fiz tudo no meu robot de cozinha, arroz doce, que ainda não lhe achei o ponto e esta quiche.

Salsichas porquê? se cá em casa não entram muito...porque para a sessão de cinema também nos escuteiros o filhinho tinha que levar salsichas para cachorro e eu comprei a mais.

Para a massa:
300gr de farinha
130gr de manteiga
70gr de água
1 pitada de açúcar
1 pitada de sal

Para o recheio:
Uma courgete pequena
Uma cenoura média
1/2 cebola
1 frasco de salsichas
Azeite q.b.
4 ovos
1 pacote de natas
Queijo ralado q.b.

Para a massa deitar no copo todos os ingredientes e programe: 20 segundos vel.6.
Retire e amasse mais um pouco á mão.

Em seguida meter no copo a cebola com o azeite e programar 5 minutos 120º vel.1 antes de terminar o tempo meter pelo buraco da tampa a cenoura e a courgete.

Quando terminar o tempo programar mais alguns 5 min. vel. 1 sem temperatura.
No fim se necessário triturar mais um pouco com uns toques de turbo, se os vegetais não ficarem bem triturados e acrescentar as salsichas cortadas ás rodelas e os ovos batidos com as natas e misturar só mais um pouco vel 3.

Forrar uma tarteira com a massa e deitar o recheio em cima, aconchegar e polvilhar com queijo ralado a gosto.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Pássaros feridos

Já que a cozinha anda um pouco off , a vontade de ir de férias é muita e a vontade de tirar fotografias ao que se faz por cá é pouca,  hoje trago um livrinho que acabei de ler e que adorei, uma boa sugestão para levar na mala para quem vai de férias.

Quem se lembra da serie televisiva Passaros-feridos? eu lembro-me, não me lembrando muito da história, tinha uma vaga ideia e a ideia que tinha era de um filme espectacular, pelo que logo que vi o livro á venda comprei, até porque já tinha lido outro desta autora e tinha gostado muito.

Uma verdadeira saga, á semelhança do outro que li dela, a acção desenrola-se ao longo de vários anos e prende-nos a atenção desde o principio até ao fim, não é daqueles livros grandes que pelo meio a história mastiga e enrola e nunca mais se sai dali, este a cada folha que lemos, a história desenvolve-se muito e temos que ler mais e mais, porque a vontade de saber o fim é grande. Uma leitura perfeita.

Sinopse
Um dos romances mais lidos e apreciados de todos os tempos, Pássaros Feridos é uma saga de sonhos, paixões negras e amores proibidos. Passada na Austrália, percorre três gerações de um indomável clã de rancheiros cujas vidas vão ganhando contornos numa terra dura mas de grande beleza ao mesmo tempo que vão lidando com a amargura, a fragilidade e os segredos da sua família. Uma apaixonante história de amor, um intenso épico de luta e sacrifício, uma celebração da individualidade e do espírito. É sobretudo a história de Meggie e do padre Ralph de Bricassart - e da intensa ligação de dois corações e duas almas ao longo de uma vida inteira, numa relação que ultrapassa perigosamente as fronteiras sagradas da ética e do dogma.
Boas leituras

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Bolo de bolacha com manteiga

Quem nunca fez bolo de bolacha.... pois cá em minha casa este tradicional com manteiga se alguma vez fiz nem me lembro, é um bolo que fazia muito quando era jovem, mas agora na era do leite condensado e das natas, esqueci.

Relembrei agora, porque tinha na ideia que o marido gostava muito, mas só de ver a quantidade que leva de manteiga fartou-se de resingar, diz que já não tem idade para comer tanta gordura, se gostou foi em tempos idos quando era inconsciente....

Pois como já tinha pensado fazer, fiz mesmo, sou de ideias fixas e teimosa, mas pensei vais ter que o comer se o menino não gosta, vais come-lo sozinha vais vais...

Pois nem tive tempo de tirar fotografia do bolo inteiro e nem de o polvilhar com bolacha ralada, porque quando dei conta já estava meio comido, o pequeno que adora manteiga delirou com o creme, aliás queria comer á colher um bocado que sobrou, eu é que não deixei, mas meteu lá os dedinhos várias vezes :-)

250 gr de açúcar em pó
250gr de manteiga magra sem sal
1 gema

2 chávenas de café (20%)
2 pacotes de bolacha torrada

Fiz o creme no meu robot de cozinha, meti os 3 primeiros ingredientes e bati tudo 2 min vel.5

Depois fiz café, daquele de frasco típico para pequeno almoço, (não fiz café mesmo por causa do menino) para molhar as bolachas.

Molham-se as bolachas ligeiramente no café para não se desfazerem e metem-se em camadas, alternadas com o creme. Termina-se barrando o bolo todo e pode-se polvilhar com bolacha ralada a gosto.

O meu creme ficou muito mole, porque usei manteiga mesmo, não sei se foi por isso ou se foi por causa do calorão que está,  pelo que eu meti um bocado o creme no frigorífico, mas mesmo assim o bolo começou a escorregar para os lados. Meti-o no congelador e ficou muito bom, uma variante diferente, bolo de bolacha gelado :-)

domingo, 14 de julho de 2013

Refresco de limão, framboesa e hortelã

Ultimamente a cozinha cá de casa tem andado meio parada, com o calorão que tem estado, nem apetece comer quanto mais cozinhar, não há quem aguente 40 e tal graus, eu pelo menos não aguento, detesto calor assim sem o mar na frente para me refrescar.

Por isso forno nem pensar e quanto menos fogão melhor, se não fosse o mais pequeno as refeições estariam mesmo resumidas a saladas e pouco mais, assim temos abusado do peixinho grelhado, as belas sardinhas que este ano estão no seu melhor e coisas assim leves que não tem grande interesse trazer cá para o blog.

Para refrescar experimentei uma espécie de limonada baseada numa que vi algures e que adorámos, ficamos fãs, até o pequeno que prefere sempre sumos de pacote por serem mais docinhos se tiver essa alternativa, se rendeu a esta limonada quase sem açúcar.

1 limão
1 chávena de framboesas
2 colheres de sopa de açúcar
600 ml de água fresquinha
Folhas de hortelã

Eu fiz no meu robot de cozinha, mas pode ser feito num vulgar copo misturador.

Tirei a casca do limão e meti tudo, excepto a hortelã no copo do robot de cozinha, programei 30 seg na vel. 6, depois juntei a hortelã e misturei mais uns segundos na mesma velocidade.

Eu meto nos copos assim mesmo, mas para o pequeno tenho que coar pelo coador do chá, porque não gosta das sementes da framboesa e das pintas verdes... mas é fácil e assim agradamos a todos.
Faltou o gelo, porque se gastou todo nos últimos tempos e não lembrei de fazer mais, mas fica muito bem.

sexta-feira, 12 de julho de 2013

Uma espécie de tortilha no forno

Esta espécie de tortilha no forno serviu para aproveitar umas sobras, lembrei-me de fazer assim, porque tenho visto por aí omeletes no forno e resolvi experimentar.

Com sobras de
Batata cozida
Bacalhau cozido
Grelos cozidos
e mais
4 ovos

Fiz esta tortilha

Juntei as sobras todas partidas e misturadas num refractário de ir ao forno.
Bati os ovos, temperei com um pouco de sal e pimenta e deitei por cima dos legumes.

Foi ao forno até cozerem os ovos e aquecer tudo o resto.
Mais uma solução para aproveitamentos

segunda-feira, 8 de julho de 2013

Esparregado triturado/passado

Esparregado ou ervas como se chama na minha terrinha, é uma coisa que faço muito cá em casa, os adultos gostamos muito, o pequeno come...
Assim tudo triturado/passado nunca tinha feito, talvez por não ser habito de fazer assim na casa da minha mãe, mas eu até gosto, o marido já não aprecia tanto.

Fiz assim, porque as nabiças já estavam congeladas e tinha uma grande quantidade que queria gastar.

Para ser mais rápido e por ser tudo triturado, fiz no meu robot de cozinha e o resultado foi bom.

400gr de Nabiças
3 dentes de alhoAlho
30gr de azeite
50gr de farinha
Sal a gosto

As nabiças como já estavam congeladas, dei uma fervura em água e sal, só para descongelar e cozer um pouco.

Meti os alhos no copo da máquina e triturei uns segundos na vel.5

Juntei o azeite e programei 5 min 120º vel.2.

Juntei aí as nabiças e salteei durante 3 min, 120º vel 2

Por ultimo acrescentei a farinha e programei 20seg vel 7.

Era suposto acrescentar leite e vinagre, mas esqueci-me e ficou assim mesmo e só no fim de comer achei o sabor diferente, era a falta do vinagre, sim porque leite nunca meti em esparregado nenhum, mas gostámos na mesma, ficou diferente na textura e no sabor, mas gostámos.