sábado, 30 de abril de 2011

Arroz de bacalhau


Ultimamente tenho trazido poucas fotografias da nossa quinta, porque o tempo foi tão chuvoso e a vida familiar tão atribulada e com tanta desgraça que nem tempo tivemos para lá ir, mas talvez por isso a horta que por lá plantámos cresceu ao abandono e no meio da erva foi o ano que produziu mais  espigos e grelos de couve e nabo. Os nabos de cabeça não provamos nem um, porque ficaram duros e bichosos, mas os grelos, das poucas vezes que lá fomos trouxemos o carro cheio, assim congelei para mais tarde e comemos com tudo.

Como não podia deixar de ser também fiz o famoso arrozinho de bacalhau, famoso pelo menos cá em casa, porque todos adoramos até o mais pequeno que raramente repete, mas neste assiste á chamada as vezes que lhe oferecermos.

Pode parecer meio deslavado e aguado, mas o sabor faz esquecer o especto muito facilmente.

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Folar 2011

Este ano a páscoa como o natal foi triste, depois de ver partir o meu pai antes do natal foi o meu avô que se quis juntar ao filho e desistiu da vida, em pouco tempo tenho três estrelinhas das mais importantes da minha vida no céu a brilhar por mim.

Mas a vida continua e tenho a certeza que eles pelo tanto que gostavam de mim, querem que eu continue alegre cá e por isso não quis deixar passar esta época sem uns docinhos e fiz este folar, uma miscelânia de receitas, mas diz o marido que o do ano passado estava melhor, talvez eu no ano passado também estivesse melhor!!! do que lá vai já não me lembro, mas este não tendo ficado um best off ficou bom.


3 ovos
100 ml de leite
80 gr margarina
500 gr de farinha para pão caseiro nacional
100 gr de açúcar amarelo
1 colh. chá de canela
1 colher de chá de erva doce

 Meti tudo pela ordem indicada na máquina de fazer pão, seleccionei o programa massa.

Depois de terminado o tempo, retirar para uma superficie enfarinhada e formar o folar eu fiz dois mais pequenos.

Dispor em cima de um papel vegetal ou no tabuleiro enfarinhado e levar ao forno a levedar mais ou menos 50 minutos no forno a 50º depois passar para 180º durante 20 minutos, dependendo do tamanho do bolo, no meu caso foi suficiente porque os folares eram mais pequenos.

Depois pode-se pincelar com geleia para ficar brilhante, eu não fiz porque me lembro que fiz nos do ano passado e ficaram melados :-)

Simples ou com manteiguinha ficou bem bom.

sábado, 23 de abril de 2011

Mousse de Framboesa

Uma mousse bem fresca e sem natas para a engorda e para o colesterol, esta receita foi retirada do livrinho doce da Nestlé, um livro que pedi de oferta com codigos de barra ou qualquer coisa parecido, mas cheio de coisas boas, melhor do que muitos caros que por vezes se compram.

Resolvi fazer esta mousse para aproveitar uma caixa de framboesas congelada que tinha no congelador já nem sei há quanto tempo, aliás nem quis ver a validade, não sou fanática de validades desde que as coisas mantenham o aspecto original e dependendo do tipo de produtos eu uso na mesma. Tenho atenção quando os compro, mas depois cá em casa ás vezes há uns descuidos.....

1 Lata de Leite Condensado Nestlé
4 Folhas de gelatina branca
300 g Framboesas
2 Colheres de sopa Sumo de limão
3 Claras de ovos

Demolhe a gelatina em três colheres de água fria durante alguns minutos. A seguir dissolva-a em banho-maria.

Bata no liquidificador o leite condensado, as framboesas, o sumo de limão e a gelatina dissolvida. Acrescente as claras em castelo e misture delicadamente.

Coloque a mousse em taças pequenas ou numa grande e leve ao frigorífico durante pelo menos 3 horas.

No momento de servir pode-se decorar as taças da mousse com chantilly, framboesas e hortelã, eu não fiz nada disso, mas deixo a sugestão da nestlé.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Panquecas de banana

Voltei á carga nas panquecas, apanhei-lhe o gosto e não quero outra coisa, estou viciada nelas, já não servem só para o lanche,até já marcham na sobremesa, parecem um pouco fartabrutos mas sabem muito bem, sempre com chocolate claro, pelo menos para mim.

Há tempo tinha ficado com as de banana da ameixinha debaixo de olho e lá fui hoje buscar a receitinha, ficaram deliciosas no sabor e na consistencia.
A receita com ligeiras alterações.

1 chávena de farinha de trigo
1 colher de sopa de açúcar
2 colheres de chá de fermento
1/4 colher de chá de sal
1 ovo
1 chávena de leite meio gordo
2 colheres de sopa de óleo vegetal
2 bananas maduras, esmagadas

Primeiro juntar os ingredientes secos todos numa taça, farinha, açúcar, fermento e o sal, envolvendo bem tudo.

Depois noutra taça bater ligeiramente o ovo e juntar as bananas bem esmagadas, os restantes ingredientes liquidos, o óleo e o leite e mexer tudo.

Juntar a fase liquida na sólida e misturar tudo só um bocadinho, só até ficar tudo homogéneo, diz a autora 10 segundos ou a massa fica borrachuda, eu mexi até deixar de ver os grumos, porque 10 segundos me pareceu muito pouco.

Depois é só deitar uma concha de sopa do creme numa frigideira anti-aderente, bem quente e ligeiramente untada com manteiga e deixar cozer um pouco até se descolar, virar com a ajuda de uma espátula e deixar mais um pouco.

Passar para um prato e esperar que não venham os ratos roubá-las antes de terem tempo de chegar á mesa, foi o que me aconteceu desta vez algumas nem conseguiram chegar á mesa.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Mais que um livro, uma escritora

Rosamunde Pilcher, uma autora não muito divulgada por cá, que conheci por acaso ao comprar um livro no circulo de leitores, mais ou menos para cumprir a obrigação do pedido.

"Solsticio de inverno" Escolhi um pouco pelo resumo que trazia e foi uma verdadeira surpresa, uma escritora inglesa que nos leva a viajar pelas paisagens de praia e campo, da cornualha e da escocia, personagens fortes e encantadoras que nos prendem da primeira á ultima página e ainda conseguem prender-nos numa pergunta o que terá acontecido a estas personagens, ou seja a vontade que a história não tivessa acabado, o desejo de continuar a ler mais e mais.

Por isso procurei os livros ao dispor nas nossas livrarias e comprei todos que encontrei, os "Apanhadores de conchas" foi outro dos que me ficou na memória, excelente.

Para abrir o apeteite um pouco do resumo de Solsticio de inverno.


Em Solstício de Inverno, Rosamunde Pilcher conta a história de Elfrida Phipps, que deixa Londres para construir uma nova vida em Dibton, pequena cidade em Hampshire, onde desfruta da companhia do cão Horácio e da amizade dos Blundell. Porém, uma tragédia imprevista muda a sua rotina e abala radicalmente a sua vida.

Elfrida é obrigada a partir para a Escócia, e o destino, pregando-lhe uma peça, acaba por reunir à sua volta pessoas mergulhadas na solidão, na saudade, no abandono e na perda. Num casarão em ruínas, no norte da Escócia, elas irão se reunir e, ao mesmo tempo, encontrar-se a si mesmas no dia mais curto do ano - no solstício de inverno.

Rosamunde Pilcher combina eloqüência e compaixão para criar personagens que revelam a forma como verdadeiramente vivemos e amamos. Repleta de tragédia e renovação, Solstício de Inverno possui uma narrativa cativante repleta de emoção.


Pena haver tão poucos livros dela publicados por cá.

domingo, 10 de abril de 2011

Risoto de cogumelos

Um risoto de cogumelos, para lembrar um pouco o arroz de miscaros que comia com tanta satisfação quando era jovem e que agora não sou capaz nem de passar ao lado...
Desde que comecei a trabalhar em hospitais e vi familias inteiras despedaçadas pelos famosos miscaros que toda a gente diz conhecer muito bem, mas de vez em quando lá sai um primo mais parecido e que é suficiente para envenenar uma familia inteira, nunca mais comprei, cá em casa só entram os de cultivo ou os que se vendem nos hipermercados devidamente catalogados, inspeccionados e afins...


1 chávena de arroz risoto
1/2 cebola
1 lata de cogumelos
1 chávena de cogumelos frescos
1/2 chávena de vinho branco
2 e 1/2 chávenas de água
1 cubo de Knorr de galinha (ou outro caldo feito de modo mais caseiro)
1 colher de sopa de manteiga
2 colher de sopa de azeite
Queijo ralado a gosto (esqueci-me....)

Primeiro picar a cebola bem fininha e levar ao lume a alourar na manteiga e azeite.

Juntar o arroz e mexer sempre até absorver a gordura toda e começar a ficar transparente.

Juntar então o vinho com cuidado porque borbulha muito e mexer sempre até secar completamente.

Juntar então caldo de carne, feito com a água e o cubo Knorr, a ferver aos poucos e sempre a mexer.

Juntar aqui os cogumelos.

Continuar sempre a mexer, para não pegar ao fundo do tacho e por ultimo juntar o queijo ralado e envolver bem.
Com a pressa esqueci-me, mas ficou bom na mesma, para mim o sabor dos cogumelos é tão bom que deve ter sido o inconsciente a não me deixar meter o queijo para não o disfarçar.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Bolo marmore em forma de zebra

Há já bastante tempo que andava com vontade de fazer este bolo, desde que o vi começar a aparecer pela blogosfera que o achei engraçado e tinha curiosidade de saber se conseguiria fazer aquele efeito de riscas.

Procurei a receita e a que encontrei é a mesma em muitos sitios e blogs por isso resolvi fazer a que me pareceu mais fácil e mais testada, com maiores probabilidades de dar certo.


6 ovos
300g de açúcar
125ml de água
125ml de óleo
375g de farinha
1 colher (café) de bicarbonato de sódio
1 colher (sopa) de fermento em pó usei de chá também porque uso farinha com fermento.
4 colheres (sopa) de chocolate em pó



Primeiro, separar as gemas das claras e bater as últimas em castelo, quando estiverem bem presas juntar metade do açúcar e bater mais um pouco.

Depois começar por bater as gemas com a água na batedeira, até espumar.
Juntar o restante açúcar, o óleo e bater muito bem até dobrar o volume.

Juntar os ingredientes secos a farinha, o bicarbonato e o fermento, envolver bem tudo e adicionar à mistura anterior, batendo mais um pouco suavemente para ficar bem homogéneo.

Por ultimo, envolver delicadamente as claras em castelo.

Separar a massa em duas porções iguais e misturar o chocolate em pó numa.

Numa forma untada e polvilhada com farinha, ir colocando colheradas de massa alternadamente, começando pela massa de ovos, até acabarem as duas, uma operação um pouco demorada. Eu usei uma colher das grandes do talher.

Por fim levar ao forno pré-aquecido, durante pelo menos 50 minutos, eu levei ao forno a 220º e depois deste tempo ainda tinha uma crista meio mal cozida e a tampa saíu um pouco bronzeada.

Desenformar num prato qualquer e virar novamente para o prato de servir.

Para mim é como se diz na minha terra muita parra para pouca uva, dá um trabalhão por as colheradas, parece que nunca mais acaba, para mim que tenho pouca paciencia para coisinhas demoradas e repetitivas.
O sabor do bolo é um pouco vulgar, mesmo usando chocolate de boa qualidade não realça muito e o efeito da zebra nem ao pequeno despertou grande interesse, ficaram umas risquinhas muito fininhas, mas ficou bonito á vista.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Artes e uns presentinhos

Quando há falta de imaginação para oferecer umas prendinhas aos amiguinhos do meu menino ou quando as possibilidades são sempre as mesmas e quando chegamos á festa vemos sempre os mesmos presentinhos e o aniversariante a atirar com eles para o lado á espera de mais....

Nada como inovar e ser criativo e é o que eu decidi para este ano, oferecer algo ás amiguinhas e amiguinhos do meu menino feito por mim, talvez eles não delirem, mas eu deliro a faze-los e sempre é uma coisa diferente, pena o tempo ser tão pouco agora para fazer este tipo de coisas.

A ultima fornada foi uma série de palhacices, tendo em conta as cores dos quartos dos meninos saiu isto.

Uma caixinha para as joias imprescindiveis a qualquer princesa que se preze

e nesta até fica bem uma fotografia dos amigos
e uma moldurinha que fica sempre bem em qualquer quarto de principe