segunda-feira, 30 de março de 2009

Batidos e mais uns miminhos

Quando começa a cheirar a verão e a tempo quente, deixo logo de beber leite ao pequeno almoço, isto porque como não gosto nada dele, só bebo habitualmente, porque dizem "faz bem" e como no inverno não me sabem bem coisas frias logo de manhã, não me sabem bem os iogurtes nem os batidos.

Por isso logo que começa a aquecer lá vem eles.

Este é de banana, digo eu!!!, porque no fundo leva tudo :-)

1 iogurte natural (sólido)
1 banana bem madura
4ou 5 bolachas maria
1 kiwi

E.... só se for necessário!!! um cheirinho de leite, para que a coisa se beba em vez de comer á colher :-)

Com uma torradinha do pãozito que se faz cá em casa e já está a barriguinha bem composta para a luta do dia a dia hehe

sábado, 28 de março de 2009

Pipis ou serão moelas

Estes pipis nome por que é conhecido um petisco muito comum em tabernas e restaurantes mais antigos e tradicionais, é usualmente servido em lanches ou petiscadas, com bastante molho para molhar o pão, também em entradas e até como prato principal, como foi o caso cá de casa.


Feito habitualmente com miudos de galinha, cá em casa é mesmo só com as moelas.


1 embalagem de 500gr de moelas
2 cebolas
4/5 dentes de alho
Um tomate madurinho/polpa de tomate
Uma folha de louro
Sal e pimenta q.b.
Vinho branco
Azeite


Em primeiro lugar há que lavar muito bem as moelas e raspar alguma pele interior indesejável, há quem diga que se deve esfregar com vinagre, eu passo nesta parte.


Depois cortar a cebola em meias luas grosseiras e picar os alhos também de modo grosseiro.

Meter tudo dentro da panela de pressão, com o azeite, meio copo de vinho e meio copo de água, sal e a folha de louro.


Tapar a panela e levar a cozer durante 15 minutos contados depois de começar a ferver.


Abrir a panela e juntar o tomate pelado e/ou polpa de tomate, neste caso juntei só meio copo de polpa de tomate de alho e cebola da qual fiquei fã, juntar os temperos a gosto, pimenta ou outros e deixar apurar o molho.




Fica um molhinho grosso mesmo bom para molhar o pão.

Mas para além disso como serviu de almoço, comemos com um arrozinho de cenoura e ervilhas, feito á moda do arroz branco cá de casa, tudo cozido só no dobro da água, com uma folhinha de louro e sal.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Tofu á Gomes de Sá

O Tofu que comprei para experimentar a muamba, era uma embalagem de 500gr, mais do que o recomendado, por isso e como achei que já era demais para dois, cortei-lhe duas fatias, com intenção de experimentar o tofu panado que vinha na embalagem.





Conclusão!! a Mary minha fonte de inspiração da tofulandia, comentou que era preferivel eu ter começado pelo tofu á gomes de sá, logo achei que sempre era melhor do que fritar e meti mãos á obra :-)

A receitinha da Mary passo-a só para que conste para a posteridade, como referencia, porque as quantidades que eu fiz foram a olhóóómetrooo, como é habitual cá em casa.





-400g de nacos de tofu
- 800g de batatas
- 3 ovos
- 0,5 dl de azeite
- 2 cebolas
- 5 alhos
- 1 folha de louro
- Pimenta, sal e salsa


Cozer as batatas e os ovos, cortar em cubinhos e reservar.


Num tacho, aquecer o azeite com as cebolas e os alhos cortados, e a folha de louro, até ficarem bem douradinhos.


Juntar o Tofu cortado aos cubinhos e deixar cozinhar mais um bocadinho.

Depois envolver tudo com as batatas e deitar por cima os ovos cozidos partidos aos cubinhos e polvilhar com salsa picada.


Ficou muito bom, mas o melhor foi o desabafo do marido, que se sente uma cobaia, nestas minhas experiencias :-)

quarta-feira, 25 de março de 2009

Maçã assada

Maçã assada é uma coisa que não tem sabedoria nenhuma, toda a gente faz, mas há umas mais caprichadas que outras.


Estas maçãs nem são as mais próprias para assar, mas para aproveitar o forno quente e umas maçãs que me tinham dado pequenas e defeituosas lá foram para o forno.


Eu quando as maçãs são grandes retiro-lhe o caroço inteiro, nestas pequenas retirei apenas o "olho"


Esta covinha encho com vinho do porto, depois deito açúcar amarelo até embeber todo o vinho

Deito mais vinho do porto em volta e uns borrifos de água.
Polvilho tudo com canela e vai ao forno.


Para servir costumo polvilhar o pratinho com canela e coloco a maçã em cima com o molho

terça-feira, 24 de março de 2009

Pato assado com cerveja

Este pato é um habitué em casa da minha mãe e fica muito bom.


Basta temperar o pato a gosto de vespera.




Eu temperei com alho, louro, sal e a cerveja.




E no dia antes de ir para o forno untei-o com uma pasta mole de colorau, alho em pó, azeite e sumo de limão.


Meter o dito no forno com o caldo da marinada e deixar assar muito lentamente.



O acompanhamento foi

umas rodelas de laranja,

umas batatinhas e cenouras salteadas em azeite no forno á moda cá de casa, depois de levarem uma fervura em água.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Pão /Fermento/Tempos de cozedura

Ao longo do tempo que temos a máquina de fazer pão, já fizemos várias experiências e todas com sucesso, algumas com pequenos pormenores menos conseguidos.


Uma conclusão a que já chegamos é que normalmente o fermento nas receitas é sempre demais , se se meter menos o pão cresce igual, sendo que se metermos demais o pão cresce muito e depois baixa no meio, já tenho visto isto em varios blogs e penso que é disso.


Para além disso as farinhas próprias para máquina de pão do Lidl tem fermento suficiente para se misturar com outras farinhas sem ser necessário juntar mais, as da nacional não sei porque ainda não experimentei





Estes dois pães são um exemplo do que digo, os dois foram feitos com a mesma quantidade de farinha própria para pão com igual quantidade de farinha de trigo 65, só que num juntámos 1/3 de fermento vahiné e no outro não juntámos fermento nenhum.
O segundo ficou redondinho em cima.




250 gr de farinha para pão rustico
350 gr de farinha 65
400ml de água
Uma colher de sopa de sementes de linhaça
Uma colher de sopa de sementes de sesamo
Uma colher de sopa de sementes de girassol
sal esqueci-me e também não fez falta.



Quanto ao tempo já experimentei fazer o pão de 1kg escolhendo a opção de 700gr e o pão ficou bom na mesma.


Gostava de lêr as experiencias e opiniões de outras amigas experientes na panificação :-)

domingo, 22 de março de 2009

Mousse de Kiwi

O Kiwi esta fruta meio exótica tão vulgar entre nós é uma planta trepadeira originária do Vale do Rio Yang-Tze na China, onde cresce de forma silvestre nas margens dos rios e nas orlas sombreadas dos bosques. Pode alcançar até 9 metros de altura. O gênero Actinidia, ao qual pertence o Kiwi tem mais de 50 espécies, a maioria ornamentais e só algumas comestíveis, entre as quais a Actinidia Deliciosa.

É uma fruta com alto valor nutritivo, pelo facto do kiwi ser uma baga confere-lhe propriedades nutritivas superiores, quando comparado com outros frutos. Estas propriedades nutritivas provêm das sementes que constituem o kiwi e que são naturalmente ingeridas com a polpa.

Oferece por isso inúmeros benefícios para a saúde.
Tem pouca gordura e nenhum colesterol.

Possui ainda propriedades antioxidantes, prevenindo o envelhecimento das células e a formação de rugas na pele.

O Kiwi foi reconhecido pelo exigente órgão americano FDA (Food and Drug Administration) como uma excelente fonte de vitaminas:

Um Kiwi médio tem 138mg de Vitamina C, além de Vitamina E, proteína,potássio, cálcio, ferro, magnésio, fósforo e fibras dietéticas, contém duas vezes mais vitamina C que a laranja.

O Kiwi contém, ainda, os aminoácidos glutamato e arginina, além de Beta-caroteno, compostos fenólicos, flavonóides e clorofilina que reduz o risco de tumores.
Com essa composição, a fruta reúne efeitos anti-cancerígenos e anti-inflamatórios, além de reduzir o risco de doenças artério-coronarianas e fortalecer o sistema imunológico.


O kiwi também possui pectina. Este tipo de fibra é muito importante para controlar os níveis de colesterol no sangue.
É uma fruta que apresenta baixo teor de calorias. Cada 100 gramas apresenta, aproximadamente, 50 calorias.

Também é estimulante do apetite e tem propriedades laxantes.

Uma curiosidade acerca de uma propriedade desta fruta, é que, quando cortado e colocado em contacto com carne, tem a propriedade de torná-la mais macia, graças à actinidina, enzima presente no fruto.

Para além disso tem inumeras aplicações em culinária, em mousses, gelados, sumos, saladas, enfim uma infinidade de utilizações.
Mousse de Kiwi

É uma receita da revista Saude á mesa de janeiro, penso que nunca fiz tanta coisa na vida de uma revista como desta.



1 dl de água
150 gr de açúcar light (como não gasto cá em casa produtos light, usei amarelo 100gr)
5 folhas de gelatina ( usei só 4, as que vêm num pacote)
250 gr de kiwi maduro ( usei 3 e pesavam 300gr)
2 dl de natas magras
1 clara de ovo

Leve ao lume um tacho com a água, junte o açúcar e deixe ferver durante 5 min.
Coloque a gelatina de molho em água fria

Descasque os kiwis e corte-os em pedaços. Junte-os ao tacho, deixe ferver e reduza a puré.

Incorpore a gelatina escorrida e mexa até que se dissolva.

Deixe arrefecer.

Entretanto bata as natas até ficarem bem espessas e envolva-as na mistura de kiwi depois de fria.

bata a clara em castelo bem firme e incorpore-a também ao preparado anterior.

Misture delicadamente e leve ao frio até ficar bem solidificada.

Sirva em taças.

É uma mousse muito fácil e rápida de fazer.

A minha ficou com uma cor pouco verde por causa do açúcar amarelo, ou quiçá pelos kiwis serem meios insípidos e de cor murcha!!!

sábado, 21 de março de 2009

Muamba de Tofu da Mary

Desde que vi esta receitinha no blog da Mary que não dormi enquanto não fui comprar o famoso Tofu, eu nem sou muito ligada em dietas vegetarianas ou outras, mas gosto de determinados pratos á base de legumes e como o marido foge da carne, tento experimentar estas variantes das proteinas, para a substituir.


A soja já é habitual cá em casa há muito tempo, mas só agora consegui atinar com o tempero dela, o tofu nunca tinhamos provado.


Esta receitinha ficou-me no sentido porquê? não pela muamba que nunca comi, mas pelos legumes que me fizeram lembrar as ratatuilles que costumo fazer e do leite de coco.


O resultado foi excelente como eu previa é para repetir com tofu e mesmo com peixe ou outra coisa parecida.



Então a receitinha da mary
-1 curgete (usei duas pequeninas)
- 3 cenouras (usei só uma)
- 1 tomate
- 1 cebola
- 1/2 pimento vermelho
- 1/2 pimento verde
- 400g de tofu
- 1 c. de sopa de azeite
- 2 c. de sopa de óleo de palma (não usei porque não tinha, substitui por mais azeite)
- 2 c. de sopa de coco ralado
- 2 dl de leite de coco
- Sal qb
- Pimenta (esqueci-me, o meu inconsciente ás vezes esquece-se destes condimentos fortes)


Picar a cebola, levar ao lume com o azeite e juntar os legumes cortados, a cenoura, o tomate e a curgete, os pimentos juntei só ao mesmo tempo do Tofu, porque eram congelados.


Deixar cozinhar e ir mexendo, eu tive que juntar meio copito de água para não secar e em seguida junta-se o tofu cortado aos cubinhos, eu parti muito grandes, ficava melhor mais pequeninos, o coco ralado e deixa-se cozinhar mais um bocadinho.

Temperar a gosto com sal, pimenta e eu juntei um bocadinho de molho de soja, já que fica bem na soja pensei que também devia ficar bem aqui.

No fim juntar o leite de coco e deixar apurar o molho.

Servi com arroz branco, feito pelo marido, o que quer dizer que é cozido no dobro da água só com sal e folha de louro, para acompanhar coisas com molho é muito bom.

Notas finais
O molho e legumes ficaram simplesmente divinais, o Tofu, achei só que não tem um sabor muito especial, não sei se temperado antes!!ou se estou a dizer uma grande asneira!!!
De qualquer maneira esta falta de um sabor muito caracteristico é uma vantagem a meu ver, porque ao contrário da soja que habitualmente não se gosta á primeira, este fica mais indiferente, a textura gostei.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Mousse de Ananás

Esta é daquelas receitas clássicas que toda a gente sabe e que fica sempre bem.
Durante anos era a sobremesa favorita cá de casa, depois cansou, mas de vez em quando sabe bem.


1 lata Ananás
1 lata Leite condensado
1 pacote Gelatina de ananás
4 Ovos

Dissolve-se no molho do ananás a gelatina e vai ao lume durante 1 minuto.

Depois junta-se o leite condensado com as gemas batidas e mistura-se o ananás partido aos bocadinhos pequeninos, (também há quem o triture)
Por ultimo bate-se as claras em castelo e incorporam-se no doce.

Deita-se numa taça e vai ao frigorifico.
Decorar a gosto com rodelas de ananás.

terça-feira, 17 de março de 2009

Pargo no forno e uma gelatina esquisitinha

Cá em casa o peixe é presença assídua, quer cozido quer assado, ou mesmo estufado.

O tempero e o modo é sempre o mesmo, seja paro, robalo, dourada ou outro primo qualquer.

O peixito em cima de uma cama de cebola e alho.

Temperado com sal, alho, louro e limão, porque cá em casa não somos fãns de muitos temperos, penso que retiram sabor aos alimentos.

Depois os fieis companheiros, as batatas, cenoura e tomate, vão-lhe fazer companhia antes de ir para o forno.




Regado de um bom fio de azeite, um copo de vinho branco, polpa de tomate e por vezes umas ervinhas de provence.

E já está acompanhado por uma verdurinha cozida, temos uma comidinha saúdável, rápida e saborosa


E para sobremesa se fizermos uma gelatina tal como diz nas instruções e lhe juntarmos um iogurte natural, sem grandes cuidados de uniformizar muito, resulta uma coisa de aparência esquisita, que nem na fotografia ficou bem, mas de sabor bem agradável.

segunda-feira, 16 de março de 2009

A exuberancia da primavera

Mais um domingo de agricultura e fotografia, adoro fotografar tudo que mexe e consigo andar uma tarde de máquina em punho para apanhar seja o que for.

Os vizinhos velhotes lá da quinta é que devem pensar "coitado do vizinho em vez de ter uma mulher para lhe ajudar na agricola tem uma maluca que passa o dia parada no meio da quinta com uma máquina fotografica hehe farto-me de rir só a pensar no que eles pensarão hehe.
Então este domingo, foi um manacial de modelos, é uma maravilha observar a natureza em mudança, e vêr que a primavera está a chegar, os passarinhos numa doideira a esvoaçar por todo o lado a correrem uns atraz dos outros, com palhinhas no bico a cantarolar belas canções, as borboletas a pairar as abelhinhas a fazer a polinização e as árvores de fruto todas a rebentar em flor, observando assim consigo entender uma colega de pinturas (mais velha) que dizia que a primavera tinha energia demais para ela.
As rolinhas que por lá fazem os ninhos e cantam e encantam.
Parecem mesmo numa de romance

Estas foram dificeis de apanhar, porque não param, e só abrem as asas no instante em que param, o que torna quase impossível apanhá-las
Os pessegueiros lindos!!!!
As ameixoeiras branquinhas que parecem de neve!!!
E as abelhinhas que não descansam nem um bocadinho no seu trabalhinho!!!

E estas sempre ali no seu ninho altaneiro a provocarem-me com o bater dos bicos!!!! sim as cegonhas quando estão no ninho batem os bicos num matraquear que se ouve longe, não sei que tipo de ritual será!!!de namoro concerteza :-)
Mas desta vez a agitação era tanta que não me escaparam :-)

sábado, 14 de março de 2009

Quiche em tempos de crise

Cá em casa não gostamos de desperdiçar nada, sabendo que tanta gente passa fome por esse mundo fora, é mesmo um crime.

Então um dia destes vi que tinha umas coisas no frigorifico, que se não inventasse nada iriam para o lixo e lembrei-me uma quiche e vai tudo...



Uma base de massa folhada de compra
Uma caixinha de batatas guisadas com carne
Uma caixinha de grelos cozidos
3 ovos
1 pacote de natas
1 colher de sopa de farinha
Queijo ralado q.b.
Sal e pimenta q.b.

Nada mais fácil, rápido e eficiente

A base é só descongelar e esticar na forma

Depois é só partir as batatinhas, cenouras e carne, já cozinhadas em pedacinhos.

Por cima meter os grelos também partidinhos.


E depois a base de todas as quiches, bater os ovos com as natas e juntar a farinha, o sal e a pimenta e verter por cima do resto, polvilhar com o queijo ralado e vai para o forno.

Já está uma forma diferente de aproveitar umas sobras


sexta-feira, 13 de março de 2009

Bolachinhas de laranja, canela e sementes de papoila

Eu tenho uma espécie de sina, com as receitas, quando penso fazer alguma coisa procuro nos livros, revistas todas que tenho, percorro os blogs e sites e nunca encontro o que procuro!!!

E depois como não posso vêr nada, andava já há algum tempo para comprar uns cortadores de bolachas para fazer umas bolachinhas e logo que encontrei comprei e tinha que ser nesse mesmo dia que aquilo tinha que ser testado!!! só que receita nada!!! nos blogs onde via bolachinhas, quando fui procurar, eram biscoitinhos de máquina, ou eram bolachinhas de fazer á mão e de cortador nada!!!!

Umas bolachinhas que me pareceram boas foram estas, só que introduzi uma alteraçãozita

300gr de farinha (meti 500 gr)
150 gr de Manteiga
150 gr de açúcar amarelo
1 ovo
Sumo de uma laranja e raspa da casca.
3 colheres de sopa de sementes de papoila
3 colheres de chá de canela (novo)

Bater o açúcar com a manteiga amolecida até formar um creme fofo e esbranquiçado, juntar em seguida o ovo, o sumo e a raspa de laranja.

Juntar a farinha e na receita original dizia 300gr ou se a massa ficar mole para adicionar mais, eu como achei a massa mole demais, pesei o pacote da farinha e fui juntando até achar que já conseguia estender com o rolo e no total foram mais 200 gr!!.

Dividi a massa em duas bolinhas e numa meti a canela e na outra as sementes de papoila.

Depois meti no frigorifico embrulhado em pelicula aderente durante meia hora.

E toca a estender e a cortar as bolachinhas com os cortadores, para levar ao forno em tabuleiro forrado de papel vegetal, eu untei com manteiga.


Foi uma tarde a cozer bolachinhas, porque as forminhas são pequeninas!!!logo resultou numa montanha de bolachas!! deliciosas.


Com o restante da massa que já não dava para esticar fiz uns rolinhos e fiz oitos, corações...

quinta-feira, 12 de março de 2009

Souflé de peixe

Ontem, estava eu sem saber ainda o que seria o jantar, mas sem me preocupar muito, porque nesta época em que há sempre no frigorifico montes de verdura, um peixinho cozido fica sempre bem e é rápido.

Só que na minha deambulação diária pelos blogs amigos, eis que me deparo com um suflézinho de peixe no blog dos anjinhos, da amiga Isabel e pensei logo, muito melhor que peixe cozido!!! e olhei para o relógio oito horas menos um quarto e pensei logo isto vai dar lugar a reclamações, mas teimosa lá fui eu :-) e ás oito e trinta estavamos á mesa :-) para o primeiro round :-)



A receita da Isabel copiei-a na integra, espero que ela não se importe, fica para a posteridade porque foi um excelente guia para as minhas trapalhadas, penso que a unica medida certa foi o leite e os ovos, porque o resto foi mais ou menos a olho, cortando a manteiga pelos tracinhos do pacote, medindo a farinha á colher, partindo da base de que cada colher de sopa pesa 15 gr, enfim o resultado foi excelente.


A receitinha dela:



-4 postas de pescada congelada grandes (usei 2 de maruca)
-80 gr de margarina
-70 gr de farinha
-5 ovos
-5 dl de leite
-sal, pimenta
-queijo ralado.




Cozer o peixe depois de cozido limpar de peles e espinhas e reservar.

Derrete-se a manteiga, junta-se a farinha, mexendo bem para se incorporarem, adiciona-se o leite morno, mexendo sempre em lume brando, até obter um creme liso e um tanto espesso.

Retira-se do fogão e junta-se o peixe desfiado e tempera-se com sal e pimenta moída na altura.

Junta-se as gemas uma a uma, batendo sempre, e rectifica-se de sal.

Batem-se as claras castelo firme e envolvem-se no creme, mexendo devagar com uma espátula. Espalha-se num tabuleiro untado e polvilha-se com um pouco de queijo ralado e vai ao forno pré-aquecido a 180 graus no meu forno levou 25 minutos servir de seguida.

E para acompanhar o que foi o que foi?? pois é grelos de couve-naba :-) temperados com azeitinho e vinagre.


O meu levou 35 min no forno a 200ºpenso que por usar uma forma de souflé de barro muito grosso!!


Notas da desventura e da pressa, inimiga da perfeição ou talvez não:-)

Como só tinha 2 postas de peixe juntei uma mão cheia de ameijoa congelada, não resultou nada bem, porque no meio daquela textura tão aveludada não soube bem encontrar as ameijoas.



No fim dos 25 min que a Isabel recomendava retirei do forno sem ver se estava cozido, porque até tinha o forno a 200º e toca para a mesa, quando lhe meti a colher para servir tinha molho, por baixo, voltou para o forno mais 10 min e cozeu que foi uma maravilha sem baixar, por isso quem diz que o souflé baixa e tem técnica é porque não sabe fazer hehehehe

Nunca me esqueças


Este foi um livro que comprei por acaso, quando o vi numa promoção no sitio do costume e do qual gostei muito.


"Até onde iria por amor?
Num dia…
Com um gesto apenas…
A vida de Mary mudou para sempre.

Naquele que seria o dia mais decisivo da sua vida, Mary – filha de humildes pescadores da Cornualha – traçou o seu destino ao roubar um chapéu. O seu castigo: a forca.A sua única alternativa: recomeçar a vida no outro lado do mundo.Dividida entre o sonho de começar de novo e o terror de não sobreviver a tão dura viagem, Mary ruma à Austrália, à época uma colónia de condenados. O novo continente revela-se um enorme desafio onde tudo é desconhecido… como desconhecida é a assombrosa sensação de encontrar o grande amor da sua vida. Apaixonada, Mary vai bater-se pelos seus sonhos sem reservas ou hesitações. E a sua luta ficará para sempre inscrita na História.

Inspirada por uma excepcional história verídica, Lesley Pearse – a rainha do romance inglês – apresenta-nos Mary Broad e, com ela, faz-nos embarcar numa montanha-russa de emoções únicas e inesquecíveis."


Uma história comovente, uma grande lição de vida, luta e resistência que a cada momento nos inunda os sentidos e apela à reflexão, uma história de verdadeira coragem e determinação, dando enfase a sentimentos, como o instinto de sobrevivência e de protecção.

Relata-nos a história de alguém com a bravura e audácia necessárias para ultrapassar as maiores adversidades pelos quais uma mulher pode passar.
Ao longo da narrativa Lesley Pearse faz um retrato do que de melhor e pior existe no Homem. Por um lado a indiferença e a violência a todos os níveis, por outro, e em oposição, a bondade, a entreajuda, a compreensão, a amizade, o companheirismo e a pureza do amor.

quarta-feira, 11 de março de 2009

Cheiros e gorduras dicas

Retirar gordura a cozinhados

Se tiver que fazer uma feijoada...
Siga esse conselho: colocar uma laranja inteira e não descascada (lavada claro, tá bem?) na dita feijoada junto com as carnes... Realmente funciona, até parece milagre, a gordura fica toda dentro da laranja, basta corta-la para ter a confirmação.
A laranja não modifica em nada o gosto da feijoada que fica super light, maravilha não é?

Então experimente com chouriços, ferva a água, fure os chouriços com 1 garfo, coloque a laranja na panela e depois os chouriços e.... Comprove, em 5 minutos a gordura estará toda dentro da laranja, depois frite os chouriços e verá que eles estarão deliciosos... E sua panela sem gordura...

Retirar cheiro a alho
Cheiro de alho na boca
  1. Tomar 1 copo de leite

  2. Trincar, com os dentes, alguns grãos de Café

  3. Pegar um pouco de açúcar e esfregar nos dentes e na boca, por fora e por dentro



Cheiro a alho nas mãos
  1. Após descascar os alhos, passe sal grosso pelas mãos (ainda sem molhar), em seguida lave as mãos normalmente ou esfregue algo inox em suas mãos.

  2. Para tirar o cheiro do alho das mãos coloque os dedos debaixo de uma torneira com um fio de água esfregando numa faca inox. É o que eu habitualmente faço e resulta

  3. Esfregue as mãos com pó de café (fresco, usado ou mesmo café solúvel) e lave-as em seguida normalmente.

  4. Lave as mãos com limão, e em seguida lave-as normalmente.
  5. Para tirar o cheiro do alho das mãos, basta deixá-las aproximadamente 1 minuto debaixo da água corrente, sem esfregá-las. Depois, seque delicadamente com um pano seco.
  6. Para tirar o cheiro a alho das mãos, experimente lavá-las esfregando folhas de salsinha

Para tirar o cheiro da CEBOLA das mãos, esfregue-as com salsa cortada ou a mesma tecnica de água corrente e a lamina da faca de inox.



Para tirar o cheiro de PEIXE das mãos, lave-as com vinagre, ou água e sal, ou um pouco de pó de café usado.



Você tira facilmente o cheiro de peixe das panelas esfregando na primeira lavagem um pouco de pó de café usado ou lave-os com água, esfregando com uma esponja embebida de vinagre ou alcool.. Depois, lave as panelas com sabão, e o cheiro desaparecerá.



Para tirar o cheiro de fritura que fica pela casa, coloque no fogo uma casca de laranja polvilhada com açúcar ou aqueça numa frigideira, em fogo brando, um pouco de canela em pó.


Um pauzinho de incenso a arder também ajuda bastante.



Para diminuir o cheiro de fritos na casa

  1. Coloque na frigideira uma rodela de batata. Ela vai absorver todo o cheiro da fritura.
  2. Experimente colocar um pires com um pouco de vinagre sobre a geladeira ou fogão.
  3. Se preferir, coloque pra ferver em fogo baixo, uma panela com água, uma colher de vinagre, canela em pó e cravo. O cheiro de gordura desaparecerá imediatamente.
  4. Coloque para ferver folhas de louro durante a fritura.
Cheiros no frigorifico


Pedaços de carvão, ou cascas de ovo, ou um pires com pó de café colocados dentro do frigorifico eliminam os cheiro desagradável.
Lavar com água e vinagre.
Para tirar cheiros em geral das mãos, especialmente o cheiro de peixe, alho, cebola e outros, basta que lavemos as mãos em água corrente abundante, usando um objecto de aço inoxidável (por exemplo: colher pequena, etc.) como se fosse uma barra de sabão. O cheiro desaparece como por mágica. Em tempo: nunca, mas NUNCA mesmo, use detergente, sabão, ou outros produtos semelhantes, pois fixam ainda mais os cheiros.

terça-feira, 10 de março de 2009

Risoto de cogumelos

Andava já há algum tempo com vontade de experimentar um risoto, já tinha comprado o arroz próprio e tudo, aproveitei que tinha uns pés de cogumelos de sobra para o fazer.


Procurei uma receitinha e fiz á minha maneira, um somatório de várias que encontrei nos livros cá de casa.

250 gr de Arroz risoto
1 cebola pequena
2 dentes de alho
1/2 copo de vinho branco (100ml)
1 cubo de Knorr
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
Água 3 vezes a medida do arroz
Azeite (ainda que todas as receitas que li pediam manteiga!!!)


Picar a cebola e o alho e por em azeite a alourar, juntar os pés dos cogumelos descascados e fatiados e deixar cozinhar breves minutos até a cebola ficar transparente.
Juntar o arroz e mexer sempre até ficar também ele transparente e ter absorvido toda a gordura.

Juntar o vinho aos poucos e mexer bem até o liquido ser quase todo absorvido.

Depois ir juntando a água , que foi préviamente fervida com o cubo de Knorr, aos bocadinhos e á medida que vai sendo absorvida e continuar a mexer até o arroz estar cozido.

Por ultimo juntar o queijo e envolver.


Serviu de acompanhamento a uns belos cogumelos recheados com alheira