sábado, 31 de janeiro de 2009

Coincidência ou talvez não!!!

Recebi isto por e-mail e achei engraçado e adequado a um blog onde um dos temas é comida.
Não sei a origem e nem até que ponto há algo de verdade nisto.

Publiquei aqui, apenas para alertar para a necessidade de fazer uma dieta equilibrada e variada, e para a importância dos vegetais e frutas nesta dieta.


Uma fatia de cenoura parece um olho humano. A pupila, íris e linhas raiadas são semelhantes ao olho humano... e SIM, a ciência agora mostra que a cenoura fortalece a circulação sanguínea e o funcionamento dos olhos.


Um tomate tem quatro câmaras e é vermelho. O coração é vermelho e têm quatro câmaras. Toda a investigação mostra que o tomate é de facto um puro alimento para o coração e circulação sanguínea.


As uvas crescem em cacho que tem a forma do coração. Cada uva assemelha-se a uma célula sanguínea e toda a investigação hoje em dia mostra que as uvas são também um alimento profundamente vitalizador para o coração e sangue.


Uma noz parece um pequeno cérebro, com hemisférios esquerdo e direito, cerebelos superiores e inferiores. Até as rugas e folhos de uma noz são semelhantes ao neo-cortex. Agora sabemos que as nozes ajudam a desenvolver mais de 3 dúzias de neurotransmissores para o funcionamento do cérebro.

Os feijões realmente curam e ajudam a manter a função renal e sim, são exactamente idênticos aos rins humanos.



O aipo, bok choy, ruibarbo e outros são idênticos a ossos.
Estes alimentos atingem especificamente a força dos ossos. Os ossos são compostos por 23% de sódio e estes alimentos têm 23% de calcio. Se não tiver calcio suficiente na sua dieta o organismo retira calcio aos ossos, deixando-os fracos. Estes alimentos reabastecem as necessidades do esqueleto.


Berinjelas, abacates e pêras ajudam à saúde e funcionamento do ventre e do cervix feminino - eles são parecidos com estes órgãos. Actualmente a investigação mostra que quando uma mulher come um abacate por semana, equilibra as hormonas, não acumula gordura indesejada na gravidez e previne cancros cervicais.

E que profundo é isto?... Demora exactamente 9 meses para um cultivar um abacate de flor a fruta. Existem mais de 14 000 componentes químicos fotolíticos em cada um destes alimentos (a ciência moderna apenas estudou e nomeou cerca de 141).


Figos estão cheios de sementes estão pendurados aos pares quando crescem. Os figos aumentam a mobilidade e aumentam os números do esperma masculino, assim como ajudam a ultrapassar a esterilidade masculina.

As batatas doces são idênticas ao pâncreas e de facto equilibram o índice glicémico de diabéticos.


Azeitonas ajudam a saúde e funcionamento dos ovários.



Toranjas, laranjas e outros citrinos assemelham-se a glândulas mamárias femininas e realmente ajudam à saúde das mamas e à circulação linfática, dentro e fora das mamas.

As cebolas parecem células do corpo. A investigação actual mostra que a cebola ajuda a limpar materiais excedentes de todas as células corporais. Até produzem lágrimas que lavam as camadas epiteliais dos olhos...
O importante mesmo é comer um pouco de tudo

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Caril de lulas

Resolvi fazer estas lulas com caril, porque tenho um frasquinho, que uma colega me deu e como o pó é precioso, porque veio de moçambique, não se pode estragar.



Fiz então como ela me ensinou a fazer o frango, porque achei que devia ser o mesmo



2 tubos de lula grande congelada
1 cebola média
3 dentes de alho muito finhinhos
1 tomate grande bem madurinho congelado
2 colheres de café de caril
Uma pitada de caril picante
Um bocadinho de gengibre fresco ralado
Óleo



Piquei a cebola e o alho e meti a alourar em óleo, porque segundo ela não se usa azeite no caril.


Depois meti lá dentro as lulas partidas ás tirinhas, deixei cozinhar um bocadinho e juntei o tomate sem peles e partidinho aos bocadinhos.


Deixei cozinhar tudo de maneira a que as lulas ficassem macias e fui juntando uns borrifos de água, porque também ela diz que não se deve juntar vinho.



Juntei o caril e o gengibre ralado e deixei a apurar em lume brandinho, o molho ganha uma consistência cremosa.



Servi com batata cozida, embora o caril combine melhor com arroz, eu gosto mais de batata e também não ficou mal.

Este caril não leva leite de coco, porque esta minha colega diz que lá na terra dela não o usavam para fazer o caril e como foi ela que me ensinou, fiz assim.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Pão integral

Para ir variando nas experincias panificadoras, comprei uma farinha especial para pão no Lidl, mas não fiz exactamente a receita que diz no pacote, por achar que ficaria um pão pesado demais, pelo que misturei outra farinha.


a receita que vem no pacote diz:

500gr desta farinha
370 ml de água morna

Só!!

Não leva fermento, porque esta farinha já tem incorporado.

A alteração que eu fiz:

250 gr desta farinha
250 gr de farinha 55 marca do continente
e por isso introduzi meio pacote de fermento vahiné

O programa que eu escolhi, para não variar foi o 1 (normal) e o mais tostado

O resultado foi excelente, um pão fofinho, uma textura um bocadinho elastica tipo pão de água, enfim mais um a repetir, porque para além de ficar bom é facilimo!!


Segui os ensinamentos das meninas gulosas que me visitam e provei ainda quente com manteiga e é uma delicia com a crosta estaladiça :-)

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Bolo de Laranja

Eu já tenho dito por aqui que gosto muito de lêr e como acho o preço dos livros sempre exorbitante, ando sempre com o nariz metido na secção de livros dos hipermercados e salvo raras excepções é sempre lá que compro, porque o preço é sempre mais convidativo



De vez em quando aparecem uns preços azul ou primos para me tentar e já tenho encontrado coisas boas, assim como outros assim assim!!!! Esta receita foi tirada de um desses livros que encontrei num monte e que achei ser merecedor de vir para minha casa :-)


Não é um super livro de culinária, mas tem umas coisa boas e exequiveis.

  • 180 gr de açúcar
  • 3 ovos
  • 125 gr de farinha
  • 2 laranjas
  • 1 colher de chá de fermento.
  • +4 colheres de sopa de açúcar para a calda


Batem-se as 3 gemas com o açúcar até fazer um creme esbranquiçado e fofo, depois junta-se a raspa da casca de uma laranja e o sumo de meia.



Batem-se as claras em castelo e vai-se juntando alternado com a farinha peneirada com o fermento



Vai a cozer em forma untada e polvilhada de farinha, em forno a 200º durante 30 min, verificar com um palito, antes de tirar.


Fazer uma calda, com a outra laranja e meia.


Espreme-se as laranjas e junta-se o sumo num tachinho, com 4 colheres de sopa de açúcar para levar ao lume até ferver.



Depois de desenformar o bolo rega-se com a calda.


Eu não sei que segredo tem estes bolos com calda, porque os meus ficam sempre só molhados na superficie, ainda que a calda fosse muita!!!


A receita fiz respeitando as proporções, mas aumentei para 4 ovos e o resto aumentei em proporção.

domingo, 25 de janeiro de 2009

Bifinhos com natas e cogumelos

Já há uns dias que fiz estes bifinhos, mas ainda não tinha tido oportunidade de os colocar aqui.

Posso dizer que é um dos meus pratos preferidos, era capaz de comer este molho ás colheres hehehe!!

Os bifes de vitela que utilizei, diz o senhor do talho que são do Beijinho!!!nunca tinha ouvido falar em tal coisa, mas gostei, como já não havia dos que costumo comprar ele disse-me para trazer destes, porque segundo ele eram bons para grelhar, porque para além de tenrinhos eram suculentos.
Essa era a minha intenção,grelhá-los!!! só que quando cheguei a casa lembrei-me que já há um tempinho que não os fazia com natas!!! e lá fiz assim

3 bifes de vitela do beijinho!!!!
Uma colher de sopa azeite
4 dentes de alho
Uma lata de cogumelos
Um pacote de natas (200ml)
Duas colher de sopa de ketchup
Meia colher de sopa de mostarda
Sumo de limão a gosto.

Primeiro descasco os alhos e dou-lhe um apertão com a faca para os esmagar, meto-os na frigideira e levo ao lume com o azeite e logo que comece a aquecer meto os bifes, só temperados com sal grosso na hora, e deixo só dourar um bocadinho de cada lado e retiro.

Depois meto os cogumelos que podem ser laminados ou inteiros e deixo também cozinhar um bocadinho na gordura onde fritei os bifes.

Junto as natas, o ketchup, a mostarda e o sumo de limão e deixo apurar um bocadinho antes de voltar a meter os bifes. Aqui o tempo depende se se gostar mal passados ou bem.



Com batatinhas fritas ficava o manjar completo, mas para contrabalançar comemos com lacinhos cozidos em água e sal e com uma saladinha

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Tortilha de batata e não só

Normalmente cá em casa nesta época em que há muitos espigos e grelos, comemos muito mais peixe cozido do que no resto do ano, porque gostamos muito destas verduras e por norma faço sempre a mais para depois fazer um tipo roupa-velha.

Desta vez decidi fazer diferente, porque esta semana, comprei uma revista que tinha lá duas tortilhas e lembrei-me de fazer.

Nunca tinha feito cá em casa e decidi experimentar, mas como de costume em vez de fazer a receita que vejo, aproveito para inventar e assim foi.

Com as batatas e grelos que tinham sobrado, mais

1 cebola

1 dente de alho

2 colheres de sopa de azeite

3 ovos

Sal e noz moscada q.b.


Piquei a cebola fininha e o alho e meti a alourar numa frigideira pequena antiaderente.

Depois juntei as batatas e os grelos, partidos aos pedacinhos, deixei cozinhar um bocadito e juntei os ovos batidos e temperados com sal e noz moscada.

Deixei cozinhar os ovos de um lado e com a ajuda de um prato raso virei e deixei cozinhar do outro.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Pão com Flocos de Centeio

Mais uma experiencia com sucesso na minha máquina de pão, desta vez foi com centeio, porque é o pão que eu gosto mais, o Centeio do Sabugueiro.

Como a primeira saiu bem, resolvi fazer igual, só que subtitui o muesli por flocos de centeio e como já não tinha farinha 65 suficiente fiz com a que tinha e adicionei 55

350ml de Água..
1 colher de chá de Sal
20 gr de Margarina
1 colher de chá de Açúcar amarelo
150 gr de Flocos de centeio
260 gr de Farinha tipo 65
115 gr de farinha tipo 55
3/4 de pac de fermento em pó.

Os flocos de centeio triturei-os na picadora também, para ficar a maioria tipo farinha e só algumas sementes maiores.


Seleccionei o programa 1 grau medio de tostado e nivel 1 e ficou muito bem.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Bolo de café

Dizem que as coisas para sairem bem tem que ser feitas de boa vontade, carinho e etc...e comigo é sempre assim se faço as coisas contrariada não sai nada bem.




Este bolo saiu assim mal, porque foi feito com pouca vontade para levar para o serviço no fim de um dia de trabalho, depois ir á ginástica supercansada, mas enfim lá o levei na mesma embora tenha ponderado levar ou não.







A receita ficou a meio e o bolo que era suposto fazer nem tem este nome no caderninho, mas como não lhe fiz a calda para o molhar nem a cobertura chamei-lhe assim, quando voltar a fazer e que saia bem faço-o com tudo e volto a colocar aqui.





2 chávenas Açúcar

2 colheres sopa Manteiga
8 Ovos
2 colheres sopa Café (usei um pacotinho de nescafé)
1 chávena Leite
1/2 chávena de água
2 chávenas Farinha
1 colher chá Fermento



Bata as gemas com o açúcar e a manteiga até obter um creme homogéneo.



O café solúvel previamente dissolvido em água a ferver (meia chávena) adiciona-se depois de arrefecer um bocadinho junto com o leite.



Bata bem e em seguida junte a farinha e o fermento envolvendo alternadamente com as claras batidas em castelo.


Unte uma forma, deite ai a massa e leve ao forno médio previamente aquecido, deixe cozer cerca de 40 min. e desenforme quente.

Ficou assim meio enqueijado, penso que foi porque, como já era tarde e para cozer mais depressa meti o forno na ventilação, mas com uma temperatura mais alta do que recomendado, logo deu asneira!!!

Mas dizem que quem não conhece deus adora o diabo e aqui aplicou-se, toda a gente gostou do bolinho mesmo assim.

Citrinos

Afinal a produção de citrinos lá da quinta ficou excelente, as laranjas ficaram grandes sumarentas e docinhas








Assim como as tangerinas, as árvores coitadinhas que ainda são pequeninas,quase nem aguentam com o peso de tanta fruta.




E os limões tão amarelinhos e tudo sem proteinas!!!!, que é o melhor destes citrinos, não apanham bichos, não sei se da fruta ou desta época !!!


Os quiwis não são da nossa quinta mas do vizinho, 100% biológicos também, uma verdadeira delicia :-)

Para mim o melhor daquela quintinha é isto, passar mais de um mês sem lá ir e encontrar lá estes miminhos mesmo sem ter trabalho nenhum:-)

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Arroz de pato

Depois do fim de ano fomos visitar os nossos vizinhos da quinta e como de costume lá viemos carregados de verduras e patos, um grande e um pequenino, bravo.

Como o pequenino não dava para assar, porque ficaria só nos ossos, resolvi fazer arroz de pato com ele, porque estava desejosa de o provar.

Cozi o pato na panela de pressão, com água

sal,
uma folha de louro
metade de uma cebola.

Deixei ferver por 10 min, porque como o patito era pequeno não precisava mais.
Há pessoas que cozem aqui um chouriço, eu não gosto.

Depois na água de cozer o pato fiz o arroz e fiz só com esta água, porque não tinha muita gordura, se os patos forem grandes e a água ficar muito gorda, misturo alguma água da torneira.

O arroz fiz um copo, para dois de água e deixei mal cozido, para depois secar no forno e acabar de cozinhar.

Enquanto o arroz coze, há que

desfiar o pato e meter a refogar,
uma cebola,
3 dentes de alho
meio chouriço, cortado aos cubitos
em pouco azeite



Depois de estar a cebola já translucida juntar o pato e envolver e deixar mais um bocadinho a cozinhar, só para tomar um bocadinho o sabor, se for necessário juntar um bocadinho da água de cozer o pato.


Depois é só por em camadas o arroz e o refogado do pato.
No cimo meti umas rodinhas de chouriço para tostarem.

E servi acompanhado de umas ervas, que já estão por aqui, no blog.


O sabor já se sabe nada a vêr com os patos grandes e muito menos com os de aviário.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Sra. da Lapa

Lapa é uma pequena aldeia do concelho de Sernancelhe, um sitio perdido no meio de quase nada, uma pequena povoação de granito onde a primeira sensação que se tem quando se chega é que voltamos á época medieval, parece que o tempo parou.






Um local de culto com uma igreja, e um edifício que foi um colégio de jesuítas e depois um seminário (onde estudou Aquilino Ribeiro) e que agora me parece apenas um local de abrigo aos peregrinos, fazem deste local que dizem já foi um grande local de peregrinação, um sitio único.



A casa da Cadeia e da câmara



O antigo seminário


O Pelourinho




Edificios






A particularidade deste santuário está no altar que é construído em redor de uma rocha onde se conta ter aparecido a imagem da Senhora da Lapa e onde de inicio foi construída uma capela dentro da rocha.



Conta-se que para se obter os benefícios pedidos à santa há que passar por um estreito na parte de trás da rocha, onde como conta a lenda, toda a gente mesmo gorda cabe à excepção dos que tiverem pecados :)

A entrada para o estreito ou gruta


O estreito propriamente dito



E não há nada mais surreal do que ver pessoas a chorar porque (devido à gordura, quer dizer aos pecados!!!) não conseguirem passar ou mesmo forçarem de tal forma que ficam entaladas e não conseguem sair sozinha nem para a frente nem para trás!!!!

Quanto ao crocodilo, sim há um crocodilo dentro da Igreja na Lapa, segundo consta, já se encontra há muitos anos no Santuário, terá vindo da Índia.



Conta a lenda que um homem da região, que vivia na Índia, terá sido atacado por um grande caimão. Nesse momento, de grande aflição, o homem teria evocado a Nossa Senhora da Lapa para que lhe desse forças para o poder matar, tendo conseguido e em sinal de reconhecimento e gratidão pela ajuda, foi trazida a carapaça dorsal e a pele e com estes elementos reconstituiu-se o "bicho" e foi oferecido ao Santuário.

O que vale a pena também é almoçar num restaurantezinho o "qq coisa das trutas" (não me lembro do nome) onde não há lista para escolher nem preços á vista, onde ás vezes nem há sobremesa, onde o profissionalismo de quem serve é mesmo só a simpatia das gentes, mas onde se come entre outras coisas um cabrito estufado delicioso, um cozido á portuguesa mesmo á moda antiga com fumeiros caseiros, salpicão.... entre outras iguarias.




E da lapa podemos trazer os famosos queijinhos e uma bola de carne espectacular.



Para além disto, encontramos  num parque de estacionamento fora da povoação, um local de pouco destaque, passa despercebido a quem não conhece, uma obra de um escultor da zona  xicolucena que deveria estar num local mais digno.


E com este Cristo perdido no meio do nada termino, um passeio por mais um cantinho do nosso Portugal esquecido.