domingo, 22 de junho de 2008

Rosas

Uma coisa que eu gosto muito é de fotografar tudo que mexe e uma das coisas que gosto é de fotografar flores, esta altura do ano é muito propicia para isso, pela grande quantidade e variedade existente, uma verdadeira explosão de cor.

As rosas amo dos jardins de Adónis,
Essas volucres amo, Lídia, rosas,
Que em o dia em que nascem,
Em esse dia morrem.



A luz para elas e eterna, porque
Nascem nascido já o Sol, e acabam
Antes que Apolo deixe
O seu curso visível.



Assim façamos nossa vida um dia,
Inscientes, Lídia, voluntariamente
Que há noite antes e após
O pouco que duramos.
-Ricardo Reis Fernando Pessoa


sábado, 21 de junho de 2008

Patê de salmão

Esta é uma receita muito versátil, tanto se pode servir simples, como outro patê qualquer acompanhado de umas tostas, como se pode servir de prato principal.


Ingredientes:
Salmão
Maionese q.b.
Mostarda q.b.
Vinagre
Pickles
Ervas aromáticas a gosto


Preparação:
Coze-se o salmão, em água temperada com sal e ervas aromáticas a gosto, eu usei salsa, folhas de louro e um alho.
Depois de cozido esmaga-se muito bem com um garfo.
Junta-se os Pickles muito picadinhos e o vinagre a gosto.
Por fim adiciona-se a maionese e a mostarda e liga-se tudo muito bem.

Amassa-se tudo muito bem e põe-se numa travessa dando-lhe a forma de um peixe, pode-se decorar, cortando uma cenoura em meias luas muito fininhas para fazer de escamas do salmão.

Na versão que eu fiz hoje para além da base, cozi uma cenoura não muito grande e uma chávena mal cheia de milho.
A cenoura esmaguei-a com um garfo, junto com o salmão e envolvi tudo.

Para servir como patê em tostas convém picar os pikles na picadora e usar mais cenoura e couve flor, para ficar com uma cor mais bonita e homogénea.

Para servir como prato principal, pode-se usar os legumes que se quiser e na quantidade que se desejar.

Se não se adicionar tantos legumes no patê, pode-se servir fresquinho com salada, ou outros legumes cozidos.

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Pão de Ló Fofinho

Esta tendência para bolos pão de ló, vem da aversão do meu maridão para as coisas com gorduras, seja manteiga, oleo ou natas, sempre que falo em fazer um bolinho ele pede logo pão de ló.

Então ando sempre á procura de receitas diferentes, esta encontrei-a no sitio do costume, os blogs amigos, mas não me lembro onde se alguem se sentir copiado que reclame a autoria.



Ingredientes:
6 ovos inteiros
125 gr de farinha
250 gr de açúcar
1 pitada de sal
Raspa de 1 limão

Preparação:

Bate-se as gemas muito bem com o açúcar, até ficar o creme esbranquiçado.
Junta-se a farinha, onde se envolveu a raspa do limão e no fim envolvem-se as claras em castelo suavemente.

Coze cerca de meia hora a 200º numa forma untada com margarina e polvilhada com farinha.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Courgetes recheadas

Para aproveitar as courgetes que estão agora em alta na quinta, resolvi experimentar umas recheadas, com o que tinha em casa.

2 courgetes
200gr de fiambre
1 cebolinha pequena
Maionese
Mostarda
Mozzarella e Parmesão ralado
sal e pimenta a gosto

Cortei as courgetes ao meio e retirei o interior com uma colher de modo a deixar uma espessura de meio cm. mais ou menos.

Depois piquei o miolo da courgete, a cebola muito fininha e o fiambre.

Temperei com sal e pimenta e juntei a maionese e a mostarda, de modo a ligar tudo.

Enchi de novo as courgetes e cobri com os queijos ralados.


Levei ao forno a cozer por meia hora mais ou menos

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Bôla de carnes

Ontem fiz uma bôla para o lanche.

6 ovos
500 gr de farinha
200ml de leite
200ml de azeite
30 gr de fermento de padeiro
sal q.b. eu não ponho nada por causa dos enchidos
Carnes a gosto, nesta eu meti fiambre, chouriço e presunto


Deita-se a farinha num alguidar faz-se um buraco ,depois deita-se os restantes ingredientes e bate-se com a batedeira.
Divide-se a massa ao meio ou mais se se quiser fazer mais camadas, unta-se um tabuleiro com manteiga deita-se uma camada de massa depois as carnes e por ultimo outra camada de massa, pincela-se com ovo.
Coze em 25 min. no forno no máximo.
Esta é a receita original que uma amiga me deu já há muitos anos, no principio fazia religiosamente igual, mas agora introduzi algumas alterações.
Uma das alterações que introduzi foi eliminar o fermento de padeiro desde que use farinha com fermento.
O azeite também deixei de pôr, porque lhe conferia uma textura aspera, pelo que substituo por mais leite, oleo e um bocadinho mesmo pequeno de azeite.

domingo, 15 de junho de 2008

Clafoutis de cereja

Nesta época em que as cerejas estão em alta, tive a sorte de ir passar um fim de semana à minha terrinha e modéstia à parte tem as melhores cerejas do mundo, e depois de ir à praça comprar uns kilinhos para trazer tive ainda a sorte de me darem mais algumas!!!!!



Conclusão há que procurar o que fazer com elas e nas minhas pesquisas vi este Clafoutis aqui e resolvi experimentar.

200 g de farinha
120 g de açúcar
3 ovos
500 g de cerejas
250 ml de leite
80 g de manteiga sem sal derretida
uma pitada de sal

Numa taça coloquei a farinha, o açúcar e o sal tudo peneirado e misturei bem.
Depois vai-se juntado os ovos, um a um, misturando bem entre cada adição com a batedeira.
Juntei a manteiga e bati mais um pouco, depois incorpora-se o leite batendo sempre devagar para que fique uma massa bem lisa e sem grumos.

Espalham as cerejas numa forma de tarte de fundo fixo com pelo menos 30 cm e despeja-se com cuidado a massa por cima.

Vai ao forno pré-aquecido a 200ºC por 30 minutos ou até que fique dourado e firme.

A receita pedia uma forma de forma de tarte de 30 cm, a minha não tem, pelo que meti numa forma para bolos sem buraco mais pequena e resultou um bolo mais alto, mas igualmente bom. 


Nota: no blog de onde retirei a receita, sugeria retirar os caroços ás cerejas, mas nos comentários eu vi que a Elvira sugeria fazer com os caroços e eu fiz metade com e metade sem, para experimentar e nota-se a diferença de sabor, com caroços sabe mais a cereja, não é tão agradável encontrar os ditos e estar com cuidado para não partir nenhum dente mas fica muito bom!!!!!

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Arroz de pato do pobre

Este arroz é mais uma invenção da minha amiga bruxa, devia ser para que os pobres também possam comer arroz de pato, faz-se com frango!!!!neste caso galinha.

A diferença é que como o frango não tem tanta gordura nem sabor tão marcado é preciso, fazer um bom estufado, para lhe dar mais sabor.

Aproveitando a galinha velha, que era um bocadito grande e que tinha estufado inteira como está aqui, desfiei o resto, escolhi as peles e ossos e misturei com o molho e cenouras restantes.

Entretanto fiz um arroz branco normal, já que não tinha a gordura do pato para aproveitar.



Num tabuleiro de ir ao forno coloquei metade do arroz e por cima uma camada de galinha, cobri com o resto do arroz e coloquei em cima umas rodelitas de chouriço.

Levei ao forno para secar o arroz e tostar um bocadinho.

Couve coração


Estes repolhos de couve coração foi a ultima coisa a vir da quinta e como cá em casa somos só dois não conseguimos comer tanta couve em sopa, tive que inventar e decidi fazer com a couve uma coisa parecida com o que se faz na covilhã com o feijão verde e com as favas.
Cozi a couve só cortada em quatro, depois escorri e em cima de uma tábua cortei a couve toda em pedacinhos mais pequeninos.
Meti numa frigideira bastante alho picado e azeite a aquecer sem torrar os alhos e juntei ai a couve, juntei bastante vinagre (nós gostamos destas vinagretes) e polvilhei com uma colher de farinha só para agregar um bocadinho o molho.

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Doce arco-íris

Este doce foi a minha amiga Eli que fez, um doce muito fresco e bom para estes dias quentes que se avizinham, é um doce muito simples de fazer e fica muito bonito.

Ingredientes:
Bolacha Maria qb
Pudins boca doce ( a gosto, eu optei por ananás, chocolate, e morango)
Um pacote de natas
Açúcar a gosto
Café
Côco

Preparação:

Prepara-se o primeiro pudim ananás, por exemplo), segundo as instruções dos pacotes, e coloca-se o primeiro sabor num pirex ( convem ser de vidro, para o efeito visual ser maior).

Depois passam-se bolachas maria em café e colocam-se sobre o pudim, de modo a cobrir toda a superfície.
De seguida, faz-se mesmo com o pudim de chocolate, novamente bolachas maria, o pudim de morango e outra vez a bolacha maria.
Entretanto, bate-se um pacote de natas com uma colher de açúcar ( isto pode ser a gosto, mas não vale a pena colocar muito porque as bolachas já são doces o suficiente) e coloca-se sobre o doce de forma a cobrir tudo.
Por fim coloca-se côco ralado e vai ao frigorífico.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Fernando Pessoa

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda una,
Que o mar unisse já não separasse.
Sagrou-te e foi devorando a espuma.
E a orla branca foi de ilha em continente.
Clareou, cresceu até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira de repente,
Surgiu, redonda, do azul profundo.

Fernando Pessoa

Galinha velha

Qual foi o meu espanto quando há dias fui a casa da minha sogra e vi que ele andava a cozer as galinhas velhas para os gatos, porque ninguem gosta!!!!!!e nós a comprar franguitos de aviário cheios de gripe!!!!!
Vai dai lá vim carregada com uma galinha dessas velhas em fim de carreira e sem saber muito bem o que fazer com ela, só que teria que ir para a panela de pressão, como canja só eu é que gosto e se fizesse teria mais um aliado dos gatos!!!!! decidi fazer a galinha estufada na panela.
Parti a galinha em pedaços grandes e meti na panela de pressão junto com
uma cebola grande, picada de modo grosseio,
quatro dentes de alho só esmagados com casca e tudo
Azeite, sal e pimenta moida na hora.
Juntei um copinho de vinho e outro de água.
Fechei a panela e deixei ferver durante 20 min e abri para ver o estado do bicho, ainda estava dura, acrescentei então
4 cenouras pequenas cotadas ás rodelas grosseiras
Polpa de tomate e uma colher de sopa de sopa de cebola
mais um copinho de água.
e voltei a fechar a panela para ferver mais 25 min, findos os quais abri e deixei a apurar mais um bocadinho.

Depois deste tempo todo na panela a galinha ficou bem cozida, mas não a desfazer-se, por isso se vier mais alguma, penso que poderá ficar mais tempo ainda e não perde nada.

O sabor ficou delicioso, e para não ser sempre massa ou arroz o acompanhamento fiz com batata cozida e salada de alface.

segunda-feira, 9 de junho de 2008

Chifon de chocolate

Fiz este bolo para umas visitas especiais em casa, especiais por ser uma visita formal, e não de amizade.
Dizem que o nosso estado de espirito tem influência em tudo e é bem verdade, neste bolo está a prova, porque os bolos que faço despreocupadamente normalmente saem bem sem nenhum requisito especial e este sendo um bolo mais que testado cá em casa e que sempre saiu bem, desta vez saiu assim, com este aspecto meio enfezado!!!!!!!

2 Chávenas almoçadeiras de açúcar
2 Chávenas almoçadeiras de farinha
1 Chávena de óleo
3 Colheres de sopa de cacau
3 Colheres de chá de fermento
Meia colher de chá de bicarbonato
8 Ovos
1 Chávena de água morna

Junta-se numa taça a farinha o açúcar e o fermento, envolve-se tudo e junta-se o óleo as gemas e o cacau dissolvido na água morna.

Bate-se tudo com a batedeira durante meia hora (?) não costumo bater tanto.

À parte batem-se as claras em castelo e junta-se aqui o bicarbonato.
Envolve-se tudo na massa anterior.

Vai ao forno em forma sem ser untada (??) eu desconfio desta ideia e barro como de costume.

Depois de cozido desenforma-se e recheia-se a gosto, com chantilly + morangos ou outro.

domingo, 8 de junho de 2008

Açorda de marisco

Mais uma açorda, que eu adoro, a de marisco, se bem que eu açorda gosto de todas!!!!!

Primeiro cozi uns camarões em água temperada com sal e umas casquinhas de cebola, depois em parte água de cozer o camarão fiz metade de um pacote de sopa de marisco, e com o resto molhei o pão partido aos bocadinhos pequenos.

Depois fiz um belo refogado em azeite, com uma cebola média e 4 dentes de alho tudo bem picadinho, juntei um bocadinho de polpa de tomate e um bocadinho de água.

Juntei ao refogado uma embalagem de mistura de mariscos, os camarões e deixei apurar.

Antes de juntar o pão demolhado, retirei os camarões e juntei também a sopa de marisco e deixei cozinhar um bocadito, e aqui verificar se precisa mais tempero, sal ou picantes para quem gostar, não é o meu caso.

No fim de tudo juntei os camarões, umas delicias do mar e uns ovinhos, desliguei o lume e mexi tudo para envolver os ovos.

quinta-feira, 5 de junho de 2008

Bavaroise de ananás

Esta é uma receita já antiga cá em casa, muito refrescante e diferente da maioria das mousses e bavaroises de ananás

1 lata de ananás
200 gr de açúcar
250 gr de natas, eu usei só um pacote, com natas frescas fica melhor.
1 limão
5 folhas de gelatina

Caramelo para a forma.

Coloca-se o ananás escorrido no copo misturador e tritura-se, com o sumo do limão, junta-se o açúcar e as natas e mistura-se muito bem.

Põem-se as folhas de gelatina de molho em água fria e dissolvem-se depois em 3 ou 4 colheres da calda do ananás aquecida no microondas e junta-se ao creme.
Deita-se numa forma caramelizada e leva-se ao frigorífico para solidificar.

terça-feira, 3 de junho de 2008

Costeletas da bruxa Zé

Estas costeletas recheadas com ananás, eram um dos petiscos que a minha amiga "bruxa" fazia, assim do nada, quando não se sabe o que fazer ela estalava os dedos e saíam assim umas coisas, agora desde que anda de dieta e se mudou para a praia, tenho que as fazer eu se quiser!!!!!!!! bons tempos e grandes patuscadas faziamos!!!!!!!!
Receita!!!! é tudo a olho á maneira dela.
Compram-se costeleteas do lombo e pede-se no talho para as abrirem ao meio, para rechear.
Depois temperam-se a gosto, eu deitei só um bocadinho de sal e pimenta moida na hora, porque não gosto da carne com grandes temperos.

Recheiam-se com o ananás e tenho ideia que ela lhe metia também queijo, eu meti-lhe um bocadinho ralado, porque não tinha outro de sabor neutro em casa.


Fecham-se com uns palitos e leva-se a fritar num bocadinho de azeite e manteiga, deixam-se dourar dos dois lados e deita-se um bocadinho de uma bebida forte, conhac ou whisky e pega-se fogo, para a carne libertar os sucos, queimar o alcool e deixa-se cozinhar mais um bocadinho.

Juntar um pacote de natas, um bocadinho de sumo de limão e um bocadinho de ketchup e mostarda e deixar apurar.

Depois acompanha-se com o que se gostar mais, massa, arroz ou até mesmo batatas fritas, para os corajosos e uma saladinha.

Mais uma coisa facil e diferente para fazer quando não se tem muito tempo

domingo, 1 de junho de 2008

Amizade

“Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho,
pois cada pessoa é única e nenhuma substitui outra.
Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho,
mas não vai só, nem nos deixa sós;
leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo.
Há os que levam muito, mas há os que não levam nada;
há os que deixam muito, mas há os que não deixam nada.
Esta é a maior responsabilidade de nossa vida e prova evidente de que duas almas não se encontram por acaso.”

Antoine de Saint-Exupéry

Aproveito este texto de que gosto, e que nos lembra o quanto a amizade e os amigos verdadeiros são importantes, para por aqui umas fotografias de uma chanfanada, que fui ontem comer a casa de um desses, dos bons.
Mas mesmo sendo um amigo dos bons, ainda nos pregou uma partida, convidou-nos para sermos cobaias, das suas experiencias culinárias, uma vez que só no fim da noite nos disse que nunca tinha feito chanfana na vida, mas quem nos dera, ser cobaias muitas vezes de tamanho manjar!!!!!!
Então do repasto para 10 convivas fez parte uns aperitivos, tipo presunto caseiro, morcela caseira assada na brasa.......e digo aperitivos, porque de entrada foi arroz de lebre



De prato principal a famosa chanfana, prato tipico da zona de coimbra, esta de carneiro, criado lá quinta dele, 100% biológico




De sobremesa um belo semifrio de diospiro, também 100% biológico, produção da quinta, do ano passado, porque os deste ano ainda não amaduraram, é um fruto que se pode congelar sem problemas para fazer compotas ou doces e até para comer ainda meio congelado, no verão diz ele que é um verdadeiro manjar.

E um belo cesto de frutas para desenjoar, mas só para quem ainda tivesse barriga
Foi uma bela noite de convivio, de comida e boa conversa, que agradeço ao meu amigo e espero que como estas e tantas outras que já passaram, venham muitas mais.