quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Legumes a mais.... não ao desperdicio

Há épocas em que me chegam a casa cabazes hortícolas que nem me cabem as coisas no frigorífico, da minha horta poucos, porque o tempo não dá para tudo e por lá pouco se tem cultivado, mas das hortas dos amigos é uma fartura.

Como não conseguimos comer tudo junto e nem conservar no frigorífico porque não cabe, normalmente congelo, já preparado para cozinhar.

Bom para conservar e prático, para quando não se tem tempo para preparar as coisas, rapidamente se tira uma caixa e com mais qualquer coisa se faz uma sopa. 


segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Folhadinhos de maçã com queijo Chevre e noz

Estes folhadinhos já me andavam a aguçar o apetite e a curiosidade há algum tempo, aproveitei agora que tinha muito queijo vindo directamente de França e umas nozes para experimentar da Nutvitae.

Para entrada ou só petisco são super fáceis  e rápidos.

Resulta uma combinação algo exótica, só mesmo para apreciadores de sabores fortes, onde o contraste entre o doce e o salgado é muito evidente.


1 placa rectangular de massa folhada fresca
1 queijo chevre
1 maçã usei vermelha, mas reineta será mais indicada.
Nozes a gosto
Mel a gosto.
1 gema

Esticar a placa de massa folhada sobre o papel e cortar em 6 quadrados iguais, eu cortei uns maiores e outros menores com medo que não desse para dobrar, mas dá muito bem.

Retirar o caroço à maçã e cortar em rodelas com casca e tudo.

Cortar o queijo em rodelas.


Montar o folhado, colocando em cima de cada quadrado uma rodela de maçã e em cima desta uma rodela de queijo, terminar com uma metade de noz e cobrir com mel a gosto.



Dobrar os cantos da massa folhada para cima e pincelar com gema de ovo diluída com umas gotas de leite.


Levar ao forno pré aquecido a 200º durante 10 min e depois baixar um pouco e deixar mais 10 minutos, até ficar lourinho por cima, verificar se está cozido.

A maçã meio cozida, o queijo derretido, o sabor do mel forte e doce com o crocante da noz, fica um contraste muito forte, eu gostei bastante.

Quem já fez like na minha página de facebook :) 

domingo, 15 de outubro de 2017

Orelha de porco de vinagrete ou salada de orelha

Ora aqui está uma coisa que não aprecio, comer e principalmente fazer!!!!

Eu por norma gosto de tudo e este prato se não houver mais nada também petisco, mas não morro de amores, mas os meus meninos adoram e resolvi fazer para as entradas na festa de aniversário do pequeno.


quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Marmelada branca, mas não é de Odivelas

Mais uma dose de marmelada, todos os anos faço, porque é o único doce que o meu menino gosta e para variar no pão que lhe envio para a escola faço sempre e de vez em quando lá vai no lanchinho.

Os marmelos sempre 100% biológicos, muitos furinhos e alguns bichinhos também.


terça-feira, 10 de outubro de 2017

Polpa de tomate Cherry mini

Pode parecer estranho, ninguém faz tomatada de tomate Cherry e ainda por cima mini....
Pois podem começar a fazer, porque fica muito mais saborosa e espessa do que dos tomates normais.

Dá um trabalhão, pois também dá.... apanhar tomates suficientes demora e depois retirar o pé a todos é outro trabalhão, mas quando se faz por gosto nada cansa.

Eu fiz porque não tive este ano tomates grandes para fazer e como um amigo tem uma mega plantação destes, fomos lá apanhar e entre todos apanhámos uma quantidade enorme.

O método, é o que já costumo fazer habitualmente, metade no robot de cozinha e metade no fogão e porquê a mistura dos dois, porque consigo fazer uma grande quantidade em menos tempo.


domingo, 8 de outubro de 2017

Bilbao e Museu Guggenheim


O Museu Guggenheim em Bilbao já estava na minha lista para visitar há muito tempo.
Pelo edifício mesmo, a sua arquitectura, edifício é um colosso, uma verdadeira maravilha e então visto ao vivo ainda impressiona mais.

As suas formas arredondadas e inclinadas desafiam a gravidade, a estrutura metalizada com relevos que lembram escamas de peixe, muito bonito....

Este museu é um dos 5 museus pertencentes à fundação Solomon R. Guggenheim no mundo e o  senhor Frank Gehry arquitecto Canadiano estava inspirado quando o idealizou.
Estes museus são todos projectados por grandes arquitectos e criticados porque os edifícios são mais imponentes e importantes do que propriamente a colecção que albergam.

Neste de Bilbao, pude constatar isso mesmo ainda que tem colecções e peças bastante interessantes e eu gostei de visitar o interior, mas reconheço que o edifício por si tira todo o protagonismo às exposições presentes.